Meteorologia

  • 07 JULHO 2022
Tempo
38º
MIN 21º MÁX 38º

Ex-presidente russo recusa proposta italiana para diálogo com Ucrânia

O antigo presidente da Rússia e vice-presidente do Conselho de Segurança russo, Dimitri Medvedev rejeitou hoje o plano italiano para facilitar o diálogo com a Ucrânia, que descreveu como "um fluxo de pura imaginação dos grafómanos europeus".

Ex-presidente russo recusa proposta italiana para diálogo com Ucrânia
Notícias ao Minuto

17:46 - 24/05/22 por Lusa

Mundo Ucrânia

"Dá a impressão de que [a proposta] foi preparada não por diplomatas, mas por cientistas políticos que apenas leem jornais provinciais e notícias falsas ucranianas", afirmou Medvedev na rede social Telegram, acrescentando que a proposta não tem em consideração a realidade atual.

O antigo líder russo saudou o facto de Roma reconhecer a necessidade da Ucrânia assumir uma posição neutra, mas questionou as aspirações mencionadas de "uma adesão sem entraves à União Europeia (UE)".

"Por muito que Kiev se consolide com sonhos de mergulhar no idílio europeu, não tem qualquer hipótese sem a adesão à NATO. E já ninguém na NATO está à espera da Ucrânia", comentou.

Para Medvedev, a entrada da Ucrânia na UE neste momento pode sair "demasiado cara e perigosa", sendo preciso que se arranjem novas alternativas.

O vice-presidente criticou ainda firmemente a possível autonomia da região ucraniana do Donbass, ideia que qualificou de "delírio óbvio e protecionismo barato".

"As repúblicas de Donbass tomaram a decisão final sobre o seu destino e não vão recuar. Isto é inaceitável para todos aqueles que se lembram do que aconteceu com os acordos de Minsk e o assassínio de civis nas Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk", explicou Medvedev.

O russo rotulou ainda de "uma grosseria clara e uma ameaça à integridade territorial da Rússia" a proposta de conceder autonomia à península da Crimeia.

"Esta seria uma razão para iniciar uma guerra em grande escala. Não há e nunca haverá qualquer força política na Rússia que concorde sequer em discutir o destino da Crimeia. Isso seria simplesmente um ato de traição nacional", disse ele.

Para o ex-presidente, esta proposta é apenas "uma tentativa de ajudar Kiev a salvar pelo menos um pouco da sua imagem".

Assegurou ainda que a própria Ucrânia não tem qualquer intenção de chegar a um acordo e que rejeitou o projeto de paz russo.

"Estão a apostar apenas no fluxo de armas e dinheiro do Ocidente. Uma guerra até ao fim. Um esforço fútil", comentou Medvedev.

O russo pediu que as iniciativas de paz "se baseiem em cálculos sóbrios" e que "reflitam a situação real".

"Se as propostas de paz forem concebidas estritamente no quadro dos interesses da NATO e da ordem mundial ocidental, então serão simplesmente ignoradas", afirmou, sublinhando que a Rússia continuará a trabalhar "para atingir os objetivos da operação militar especial" na Ucrânia.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já causou a fuga de mais de 14 milhões de pessoas de suas casas -- cerca de oito milhões de deslocados internos e mais de 6,3 milhões para os países vizinhos -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Também segundo as Nações Unidas, cerca de 15 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Leia Também: Deputados russos querem facilitar proibição de imprensa estrangeira

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório