Meteorologia

  • 03 JULHO 2022
Tempo
19º
MIN 18º MÁX 30º

Seis líderes da oposição presos no Chade iniciaram greve de fome

Os seis líderes da oposição presos no Chade após uma manifestação em 14 de maio contra a França, que acusam de apoiar a junta militar no poder, iniciaram hoje uma greve de fome, anunciaram fontes ligadas ao movimento.

Seis líderes da oposição presos no Chade iniciaram greve de fome
Notícias ao Minuto

16:52 - 23/05/22 por Lusa

Mundo Chade

A marcha de protesto, autorizada pelas autoridades na altura, foi manchada por incidentes. Sete estações de serviço pertencentes ao grupo petrolífero francês Total foram vandalizadas e 12 agentes da polícia feridos, segundo a polícia.

Max Loalngar, coordenador da principal coligação da oposição Wakit Tamma, que organizou o protesto, foi detido em 17 de maio, no dia seguinte à detenção de outros cinco líderes da aliança.

"Começaram uma greve da fome hoje de manhã e até à sua libertação", disse Alain Ndiliam, um dos advogados dos detidos. A informação foi confirmada à agência France-Presse por Michel Barka, porta-voz de Wakit Tamma.

Os seis foram acusados de "reunião causadora de desordem pública, ataque à integridade física das pessoas, fogo posto e destruição de bens" e transferidos de uma prisão em N'Djamena para uma em Moussoro, 300 quilómetros a noroeste da capital.

Wakit Tamma considera que foram erradamente presos por "atos de vandalismo" cometidos por outros à margem ou após a sua manifestação e exigiu a sua libertação incondicional. O seu julgamento deverá ter início em 06 de junho.

"Foi o sistema de justiça que os prendeu por factos concordantes, eles ainda são presumíveis inocentes, iniciarem uma greve de fome é seu direito absoluto e também uma pressão contra a justiça", comentou o porta-voz do Governo, Abderaman Koulamallah.

No sábado, os principais movimentos rebeldes exigiram também a sua "libertação imediata e incondicional", dizendo que estas detenções "não promovem um clima sereno para a continuação das negociações de paz" iniciadas há dois meses e meio, em Doha, entre os numerosos grupos armados chadianos e o governo.

Quando o Presidente Idriss Déby Itno foi morto na linha da frente contra os rebeldes, há mais de um ano, o seu filho, o general Mahamat Idriss Déby Itno, tomou as rédeas do país à frente de um grupo de 15 generais, que foram imediatamente apoiados pela comunidade internacional, liderada por Paris.

Prometeu eleições "livres e democráticas" no prazo de 18 meses após um "diálogo nacional inclusivo" que ainda não foi realizado.

Leia Também: Detido dirigente da oposição do Chade após manifestação contra a França

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório