Meteorologia

  • 27 JUNHO 2022
Tempo
23º
MIN 15º MÁX 23º

Biden e 962 outros norte-americanos proibidos de entrarem na Rússia

A Rússia decidiu hoje proibir de forma permanente a entrada no país ao Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e outros 962 cidadãos norte-americanos, incluindo o chefe da diplomacia e o secretário de Estado da Defesa.

Biden e 962 outros norte-americanos proibidos de entrarem na Rússia

A decisão surge como retaliação pelas sanções aprovadas por Washington contra Moscovo devido à ofensiva militar da Rússia na Ucrânia.

"Sublinhamos que as ações hostis de Washington tornar-se-ão um 'boomerang' contra os EUA e serão devidamente rejeitadas", disse o Ministério dos Negócios Estrangeiros russo em comunicado, anunciando a medida.

Moscovo sublinhou que "as contra-sanções russas são de natureza obrigatória e visam forçar o governo dos Estados Unidos da América, que tenta impor ao resto do mundo uma ordem mundial neocolonial baseada nas suas regras, a mudar o seu comportamento e reconhecer as novas realidades geopolíticas".

"A Rússia não procura confrontos e está aberta a um diálogo franco e respeitoso, diferenciando o povo norte-americano, que sempre teve o nosso respeito, das autoridades norte-americanas, que incentivam a russofobia, e daqueles que as servem. São precisamente estas pessoas que estão incluídas na 'lista negra' russa", acrescentou.

Além do Presidente, também o seu segundo filho, Robert Hunter Biden, figura da lista das pessoas proibidas desde hoje de entrarem na Rússia.

Entre os principais altos funcionários do Governo e instituições dos Estados Unidos visados por Moscovo estão também o Secretário de Estado, Antony Blinken, o secretário da Defesa, Lloyd Austin, e o diretor da CIA, William Burns.

Estas sanções foram anunciadas pouco depois de Washington ter noticiado que Biden, que está em visita a Seul, promulgou um projeto de lei que contempla um pacote de ajuda adicional à Ucrânia no valor de quase 40 mil milhões de dólares.

A Rússia lançou uma ofensiva militar na Ucrânia a 24 de fevereiro, que ainda perdura, condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com ajuda financeira e militar, como o envio de armamento, à Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas sem precedentes contra Moscovo.

Leia Também: Joe Biden aprova apoio de 40 mil milhões de dólares a Kyiv

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório