Meteorologia

  • 26 JUNHO 2022
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 22º

Bielorrússia: Justiça abre inquérito a responsáveis de media da oposição

O Comité de Investigação da Bielorrússia abriu uma investigação contra dois responsáveis do Nexta, órgão de comunicação com ligações à oposição bielorrussa e classificado por Minsk como "organização terrorista", avançou hoje a agência de notícias local Belta.

Bielorrússia: Justiça abre inquérito a responsáveis de media da oposição

Moscovo, 20 mai 2022 (Lusa) - O Comité de Investigação da Bielorrússia abriu uma investigação contra dois responsáveis do Nexta, órgão de comunicação com ligações à oposição bielorrussa e classificado por Minsk como "organização terrorista", avançou hoje a agência de notícias local Belta.

Esta investigação tem como alvo Stepan Putilo, cofundador do canal transmitido através das redes sociais YouTube e Telegram, e Ian Roudik, outro responsável do Nexta, ambos a viver no exílio.

O Nexta desempenhou um papel fundamental na mobilização do histórico movimento de protesto contra a reeleição do Presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, em agosto de 2020, o que desencadeou a sua proibição no país e a sua classificação como "organização terrorista" pelo Supremo Tribunal da Bielorrússia.

O Comité de Investigação acusa os dois homens de tentarem "desestabilizar" a Bielorrússia, controlada com mão de ferro por Lukashenko, no poder desde 1994.

O outro cofundador e ex-diretor do Nexta, Roman Protassevitch, foi detido em maio de 2021, juntamente com a sua companheira Sofia Sapega, quando o voo em que viajava, de Atenas para Vilnius, foi intercetado por um caça bielorrusso, provocando protestos internacionais.

Protassevitch está atualmente em prisão domiciliária a aguardar julgamento, enquanto a sua companheira foi condenada a seis anos de prisão.

Na quarta-feira, a Bielorrússia publicou um decreto que introduz a pena de morte para quem prepare um ataque ou "tente realizar um ato de terrorismo", o que representa um endurecimento das medidas de combate à oposição, como defendeu hoje a líder da oposição exilada na Lituânia, Svetlana Tikhanovskaia.

A organização de defesa de direitos humanos Viasna, que tem vários dos seus responsáveis detidos, contabiliza atualmente a existência de mais de 1.000 presos políticos no país.

Leia Também: "Inferno". Deputada ucraniana acusa Rússia de impedir retirada de civis

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório