Meteorologia

  • 26 JUNHO 2022
Tempo
22º
MIN 15º MÁX 22º

Rússia diz que negociações sobre a Transnístria estão em "ponto morto"

As negociações para a resolução do conflito entre a Moldova e a região separatista da Transnístria encontram-se em "ponto morto" e a reunião internacional prevista para este mês não vai decorrer, indicou hoje um vice-ministro dos Negócios Estrangeiros russo.

Rússia diz que negociações sobre a Transnístria estão em "ponto morto"
Notícias ao Minuto

14:28 - 17/05/22 por Lusa

Mundo Moldova

"Infelizmente, o processo de negociação também ficou parado aqui. Tanto quanto sabemos, é pouco provável que seja concretizada a reunião de maio" no âmbito do designado 5+2, disse o vice-ministro Andrei Rudenko, citado pela agência noticiosa Interfax.

No formato 5+2 participam a Moldova, a Transnístria, a Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), a Rússia e a Ucrânia, sendo observadores os Estados Unidos e a União Europeia (UE).

A situação na Transnístria começou a agravar-se no final de abril, após uma série de tiroteios e explosões em edifícios e infraestruturas governamentais, que segundo as autoridades separatistas foram procedentes de território ucraniano.

Kiev referiu-se a uma operação de "falsa bandeira" promovida pela Rússia para responsabilizar a Ucrânia e lançar uma ofensiva, enquanto Moscovo qualificou os incidentes como uma tentativa de arrastar este território para o conflito armado na Ucrânia.

Em pleno conflito ucraniano, a Moldova pediu no início de março a sua adesão à UE, enquanto a Transnístria solicitou dias depois o reconhecimento da sua independência.

Numa referência à Transnístria, o vice-ministro assinalou que "de momento a situação é estável".

"O que sucederá de seguida depende de muitos fatores, incluindo a Ucrânia", acrescentou Rudenko.

A Transnístria, um território com apenas meio milhão de habitantes na maioria eslavos (russos e ucranianos), rompeu os laços com a Moldova após um conflito armado em 1992-1993 e onde garantiu apoio da Rússia.

Desde o final do conflito, com um balanço de centenas de mortos, a Moldova exige a integração destes territórios, separados pelo rio Dniestre, desde sempre recusadas pelas autoridades separatistas.

Na sequência do acordo para a solução pacífica do conflito na Transnístria, assinado em julho de 1992, a Rússia deslocou 2.400 militares para garantir a paz na região, mas foi reduzindo o contingente ao longo dos anos.

A Moldova exige a retirada das tropas russas da região, e do arsenal soviético ainda instalado, avaliando-o em 40.000 toneladas de armas e munições.

Leia Também: Moldova denuncia destabilização na Transnístria e diz que povo quer a paz

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório