Meteorologia

  • 24 JUNHO 2022
Tempo
22º
MIN 14º MÁX 24º

Ex-ministro britânico crê em negociação apesar de ameaças de Londres

O antigo ministro britânico para a Irlanda do Norte Julian Smith acredita que a ameaça do Governo britânico de "agir" unilateralmente para rescindir parte do acordo do Brexit pode abrir espaço para negociação com a União Europeia (UE). 

Ex-ministro britânico crê em negociação apesar de ameaças de Londres

"Espero que exista suficiente ambiguidade e dê espaço para passar as próximas semanas a tentar uma solução negociada", disse hoje em Londres a um grupo de jornalistas da Associação de Imprensa Estrangeira. 

Um potencial anúncio de uma proposta de lei para suspender o protocolo, avançado pela imprensa, deixa mesmo assim um espaço de muitos meses até ser aprovada e promulgada, que pode ser aproveitado para negociações que resultem num compromisso.

"Não é uma questão de remover o protocolo, mas reformar", afirmou, aludindo à "delicadeza" da ordem política naquele território, onde as decisões dependem do equilíbrio e partilha de poder entre 'unionistas', leais à coroa britânica, e republicanos, favoráveis à reunificação com a Irlanda. 

O agora deputado do Partido Conservador foi demitido por Boris Johnson apenas algumas semanas depois de mediar o restabelecimento das instituições políticas na Irlanda do Norte, em fevereiro de 2020, após três anos suspensas.  

Smith avisou que "quanto mais a situação se prolonga, mais surgem linhas vermelhas e posições das quais é difícil sair" e que é preciso "avançar rapidamente", lembrando que a estabilidade política na Irlanda do Norte é um resultado de cedências e conciliações. 

Recordou também que o sistema de partilha de poder na Irlanda do Norte desenhado pelo acordo de paz de 1998 depende do apoio dos unionistas, que representaram 40% dos votos nas eleições.  

"Precisamos de uma abordagem equilibrada, que tenha em conta as preocupações dos unionistas para que voltem a viabilizar o Governo, mas também das empresas, que tem muitas vantagens no Protocolo", afirmou. 

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, está hoje em Belfast para reunir de emergência com os partidos políticos e instá-los a restabelecer as instituições políticas, nomeadamente a Assembleia e Governo regional, na sequência das eleições de 05 de maio. 

O Partido Democrata Unionista (DUP), que perdeu a posição de partido maioritário na Assembleia para o rival Sinn Féin, recusa formar a coligação necessária para viabilizar um governo enquanto não forem feitas alterações aos acordos pós-Brexit. 

Os unionistas argumentam que o Protocolo da Irlanda do Norte prejudica a relação da província com o resto do Reino Unido, devido á sujeição a regras da UE e a controlos e documentação adicionais a bens que chegam da Grã-Bretanha (Inglaterra, País de Gales e Escócia). 

O primeiro-ministro britânico argumentou hoje que o texto, parte do acordo de saída do Reino Unido da UE assinado em 2019, tem de ser refeito para ter o máximo de apoio político possível na Irlanda do Norte. 

"Espero que a posição da UE mude. Se isso não acontecer, haverá uma necessidade de agir", escreveu no jornal Belfast Telegraph, prometendo apresentar um plano ao Parlamento nos próximos dias.

A imprensa britânica noticiou na semana passada que o Governo britânico pretende introduzir legislação com poderes para revogar partes do Protocolo, mas que alguns ministros receiam retaliação da UE que resulte numa "guerra comercial" numa altura de crise económica.   

A Comissão Europeia criticou o Reino Unido por "enveredar pelo caminho da ação unilateral", exortando o Executivo britânico a retomar as negociações com Bruxelas.

Leia Também: Mulher e três cães morrem após acidente com carro em Londres

Leia Também: Londres defende mais armamento para Kyiv e novas sanções à Rússia

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório