Meteorologia

  • 25 MAIO 2022
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 26º

Anunciado recolher obrigatório no Mogadíscio devido às presidenciais

As autoridades somalis anunciaram hoje um recolher obrigatório na capital do país, Mogadíscio, que entrará em vigor hoje, véspera das eleições presidenciais, e terminará na segunda-feira.

Anunciado recolher obrigatório no Mogadíscio devido às presidenciais
Notícias ao Minuto

12:35 - 14/05/22 por Lusa

Mundo Somália

A medida foi anunciada na manhã de hoje, de acordo com o portal de notícias Goobjoog News, que citou as declarações à imprensa do porta-voz da polícia somali, Abdifatah Aden Hassan.

O recolher obrigatório começará hoje às 21:00, horário local (19:00 em Lisboa), e vai manter-se até às 06:00 de segunda-feira, horário local (04:00 em Lisboa).

Todas as ruas de Mogadíscio permanecerão encerradas e os centros comerciais estarão fechados até segunda-feira para garantir a segurança na capital, que vive sob a ameaça permanente do grupo 'jihadista' Al-Shabab.

Estas medidas juntam-se ao recolher obrigatório já declarado pela Missão de Transição da União Africana na Somália (ATMIS) no hangar do aeroporto internacional de Mogadíscio.

Na quarta-feira, um atentado suicida contra um posto de segurança do aeroporto da capital - onde se concentram os escritórios da ONU e as embaixadas da comunidade internacional - já tinha evidenciado a necessidade de reforçar a segurança do processo eleitoral.

A Somália realiza eleições presidenciais neste domingo, mais de um ano após o mandato do atual chefe de Estado, Mohammed Abdullahi Mohammed Farmaajo, ter expirado e após uma prolongada crise política.

A Comissão Parlamentar Mista para as Eleições Presidenciais, composta por 17 legisladores de ambas as casas do Parlamento da Somália, anunciou a data das eleições em 05 de maio.

As eleições ocorrem dois dias antes do prazo final fixado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) para a realização do sufrágio e, assim, o país do Corno de África poderá continuar a receber apoio orçamental.

Estas eleições, há muito esperadas, são finalmente possíveis após a conclusão das eleições parlamentares e com a eleição dos presidentes da Casa dos Povos (Câmara Baixa) e do Senado em abril.

Este foi um marco essencial para a realização de eleições presidenciais - para as quais concorrem cerca de 20 candidatos - que foram adiadas desde 2021, em várias ocasiões, devido a disputas políticas, desacordos entre clãs e alegações de irregularidades, apesar do mandato de Farmaajo ter expirado em fevereiro desse ano.

Os 54 senadores da Câmara Alta e 275 deputados da Câmara Baixa devem eleger o chefe de Estado, de acordo com a lei somali.

O adiamento sistemático das eleições é uma distração dos problemas que o país enfrenta, tais como a luta contra o grupo terrorista Al-Shabab, que controla as zonas rurais do centro e do sul da Somália e que quer estabelecer um estado islâmico Wahhabi (ultraconservador).

A Somália tem estado numa situação de conflito e caos desde que o ditador Mohamed Siad Barre foi derrubado em 1991, deixando o país sem um governo eficaz e nas mãos de senhores da guerra e milícias islâmicas.

Leia Também: Atentado suicida na Somália faz 6 mortos nas vésperas das presidenciais

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório