Meteorologia

  • 28 SETEMBRO 2022
Tempo
17º
MIN 16º MÁX 22º

EUA e UE juntos para garantir que Putin vai prestar contas pela invasão

Representantes do Governo dos Estados Unidos e da União Europeia (UE) reuniram-se em Washington na quarta-feira e comprometeram-se a trabalhar em conjunto para que o Presidente russo preste contas pela invasão da Ucrânia.

EUA e UE juntos para garantir que Putin vai prestar contas pela invasão

O secretário-geral adjunto e diretor político do Serviço Europeu de Ação Externa, Enrique Mora, e a subsecretária para os Assuntos Políticos do Departamento de Estado dos EUA, Victoria Nuland, deram início a um novo diálogo de alto nível na capital dos EUA, que terá agora lugar uma ou duas vezes por ano.

Nuland escreveu na rede social Twitter que os EUA e a UE estão com a Ucrânia e continuarão a trabalhar em conjunto para que o Presidente russo, Vladimir Putin, "preste contas pela sua guerra mortífera e sem sentido".

Na reunião, Mora e Nuland discutiram como os EUA e a UE irão trabalhar para localizar crimes de guerra, partilhar informações e utilizar "todas as ferramentas à sua disposição" para responsabilizar os perpetradores, afirmaram numa declaração conjunta.

Por outro lado, discutiram outras medidas para "isolar ainda mais a Rússia" das economias dos EUA e da UE, bem como do sistema financeiro internacional.

Sobre a China, Mora e Nuland salientaram que ambos os países continuarão a instar Pequim a não contornar as sanções contra a Rússia e a não dar qualquer apoio a Moscovo.

Mora e Nuland concordaram em continuar o diálogo até ao final de 2022.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que matou pelo menos 1.189 civis, incluindo 108 crianças, e feriu 1.901, entre os quais 142 crianças, segundo os mais recentes dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real de vítimas civis ser muito maior.

A guerra provocou a fuga de mais de 10 milhões de pessoas, incluindo mais de 4 milhões de refugiados em países vizinhos e quase 6,5 milhões de deslocados internos.

A ONU estima que cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Leia Também: EUA ponderam libertar até um milhão de barris de petróleo por dia

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório