Meteorologia

  • 25 JUNHO 2022
Tempo
23º
MIN 15º MÁX 23º

Ucrânia. Sem apoios a crise de deslocados será "uma catástrofe"

O Alto-Comissário das Nações Unidas para os Refugiados defendeu hoje que sem mais apoios e solidariedade internacional a crise de deslocados e refugiados da Ucrânia pode transformar-se numa catástrofe.

Ucrânia. Sem apoios a crise de deslocados será "uma catástrofe"

No dia em que passa um mês desde o início da invasão da Ucrânia pela Rússia, Filippo Grandi recordou os "milhões de pessoas que têm vivido o horror da guerra". 

Quase um quarto da população da Ucrânia (mais de 10 milhões de pessoas) teve de abandonar as suas casas: Cerca de 3,7 milhões fugiram do país, "fazendo desta a crise de refugiados que mais rapidamente cresceu desde a Segunda Guerra Mundial", e mais de 6,5 milhões de deslocados dentro do próprio país.

A estes juntam-se outros 13 milhões que não conseguem sair "devido ao aumento dos riscos de segurança, destruição de pontes e estradas, bem como à falta de recursos ou informação sobre onde encontrar segurança e alojamento", afirmou numa declaração escrita.

Saudando os países por manterem as fronteiras abertas, a União Europeia por oferecer Proteção Temporária e todas as pessoas que em nome individual quiseram ajudar, o representante deixou um alerta: A ajuda não pode parar.

"A guerra na Ucrânia tem gerado enorme sofrimento, mas também inspirado atos de grande coragem, generosidade e compaixão. Assegurar um apoio contínuo às suas vítimas inocentes é vital se quisermos impedir que esta crise se transforme numa catástrofe", alertou.

Grandi defendeu que são precisos mais apoios: "Mais será necessário - para os Estados, para os refugiados, para as comunidades locais - e exorto a comunidade internacional a assegurar que isso se concretize".

Isto porque, lembrou o representante da ONU, "a capacidade dos países vizinhos que recebem refugiados já está sob tensão" e a situação deverá agravar-se, tendo em conta que este deverá ser um conflito prolongado "caracterizado pelo desrespeito brutal do direito humanitário internacional".

No seu discurso, o representante dos refugiados apelou também a que se repita os atos de apoio e solidariedade para com outros povos que estão a sofrer dramas semelhantes.

"Este nível de solidariedade deveria dar o exemplo para todas as crises de refugiados", disse, recordando os milhões de crianças, mulheres e homens deslocados por conflitos, perseguições, violência e violações dos direitos humanos em muitas outras regiões do mundo.

"A devastação infligida a milhões de inocentes não é menos real e não menos cruel. O direito de procurar e obter asilo é universal. Não está condicionado à cor da sua pele, à sua idade, sexo, crenças ou local de nascimento. O respeito pelos direitos dos refugiados não é passível de interpretação ou negociação", defendeu.

Leia Também: Ucrânia. Dez milhões de pessoas obrigadas a deixar as suas residências

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório