Meteorologia

  • 22 MAIO 2022
Tempo
18º
MIN 17º MÁX 23º

EUA com 8.500 soldados em alerta devido a tensão entre Rússia e Ucrânia

Segundo John Kirby, porta-voz do Pentágono, a "maior parte" das tropas dos Estados Unidos colocadas em alerta acrescido destina-se a reforçar a força de resposta rápida da NATO.

EUA com 8.500 soldados em alerta devido a tensão entre Rússia e Ucrânia
Notícias ao Minuto

21:20 - 24/01/22 por Notícias ao Minuto com Lusa

Mundo Ucrânia/Rússia

Os Estados Unidos colocaram cerca de 8.500 militares em alerta para um possível destacamento para a Europa de Leste, no âmbito das tensões existentes entre a Ucrânia e a Rússia. O anúncio foi feito por John Kirby, porta-voz do Pentágono, esta segunda-feira, que realça, no entanto, que ainda não foi tomada qualquer decisão final sobre a mobilização de tropas.

De acordo com a CNN, o Secretário da Defesa do país, Lloyd Austin, terá já emitido as diretivas de preparação sob a direção do presidente Joe Biden, com o objetivo de prepararem as suas tropas para uma potencial invasão russa da Ucrânia que, segundo as informações transmitidas por oficiais no terreno, pode estar iminente. 

John Kirby afirmou que a "maior parte" das tropas dos Estados Unidos colocadas em alerta acrescido se destinava a reforçar a força de resposta rápida da NATO. Ainda assim, o porta-voz esclarece que o secretário responsável pela pasta da Defesa quer também estar "preparado para quaisquer outras contingências".

"Os Estados Unidos tomaram medidas para aumentar a prontidão das suas forças a nível interno e externo, pelo que estão preparados para responder a uma série de contingências, incluindo o apoio à força de resposta da NATO se esta for ativada", referiu Kirby, citado pela CNN. Segundo o mesmo responsável, a Força de Reação da NATO compreende atualmente “cerca de 40.000 tropas multinacionais".

"O que está em causa é tranquilizar os nossos aliados da NATO", vincou John Kirby.

Ao início desta tarde, tinha já sido noticiado que a administração de Joe Biden estava na fase final de identificação de unidades militares específicas que poderiam ser enviadas para a Europa de Leste, segundo múltiplos funcionários do departamento de Defesa dos Estados Unidos.

As tensões aumentaram esta segunda-feira entre a Rússia e os países ocidentais, devido às preocupações com uma possível preparação de uma invasão russa à Ucrânia.

Os países da NATO colocaram forças em alerta e enviaram navios e aviões de combate para reforçar a defesa na Europa Oriental contra a atividade militar russa nas fronteiras da Ucrânia, anunciou a Aliança Atlântica.

Numa declaração divulgada em Bruxelas, a Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), de que Portugal faz parte, deu conta do reforço de meios na região, em curso e futuros, por parte da Dinamarca, Espanha, França, Países Baixos e Estados Unidos.

Os líderes dos países bálticos congratularam-se com a informação de que os Estados Unidos planeiam enviar milhares de militares, juntamente com aviões e navios de guerra, para os aliados da NATO no Báltico e na Europa Oriental.

Países como o Reino Unido, Estados Unidos e Austrália anunciaram a retirada de alguns diplomatas de Kiev, enquanto a Irlanda criticou a Rússia por organizar exercícios militares numa área a cerca de 150 milhas (cerca de 240 quilómetros) ao largo da costa sudoeste irlandesa.

Já a Comissão Europeia anunciou um pacote de ajuda de emergência à Ucrânia de 1,2 mil milhões de euros, visando manter este país "livre e soberano" e apoiar Kiev nestas "circunstâncias difíceis", perante a ameaça russa na fronteira ucraniana.

O Kremlin acusou hoje a NATO e os Estados Unidos de "exacerbarem" as tensões ao decidirem enviar navios de guerra e caças para a Europa de Leste, num quadro de uma suposta invasão russa da Ucrânia.

"As tensões são intensificadas por anúncios e ações concretas dos Estados Unidos e da NATO [Organização do Tratado do Atlântico Norte]", afirmou o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, aos jornalistas que lhe pediram um comentário ao envio de tropas da Aliança Atlântica.

Peskov criticou o que considerou ser uma "histeria" na Europa, depois de, nas últimas semanas, se terem multiplicado os alertas em relação a uma eventual invasão russa da Ucrânia.

A Rússia é acusada pelo Ocidente de ter reunido cerca de 100 mil soldados nas fronteiras ucranianas, em preparação para um ataque.

Moscovo nega qualquer plano nesse sentido e exige garantias para a sua segurança, incluindo a rejeição da adesão da Ucrânia à NATO, o fim do alargamento da Aliança e dos destacamentos militares para a Europa de Leste, reivindicações inaceitáveis para o Ocidente.

Leia Também: Londres avisa que invasão russa poderá criar uma "nova Chechénia"

Notícias ao Minuto nomeado para os Prémios Marketeer

O Notícias ao Minuto é um dos nomeados da edição de 2022 dos Prémios Marketeer, na categoria de Digital Media. As votações decorrem até ao próximo dia 31 de maio.

Para nos ajudar a vencer, basta aceder ao site da iniciativa organizada pela revista Marketeer, clicando aqui, e proceder ao preenchimento do formulário, selecionando Notícias ao Minuto na categoria de Digital Media e formalizando depois a votação. Obrigada pela sua preferência!

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório