Meteorologia

  • 19 MAIO 2022
Tempo
28º
MIN 14º MÁX 29º

"Falta de transparência" em investigação a fogo em prisão do Burundi

A Human Rights Watch (HRW) acusou hoje as autoridades do Burundi de não investigarem de forma "transparente, credível e imparcial" o incêndio na prisão de Gitega, a 07 de dezembro, em que, estima, "várias centenas de prisioneiros" morreram ou ficaram feridos.

"Falta de transparência" em investigação a fogo em prisão do Burundi

Segundo um relatório oficial, apresentado no mesmo dia pelo vice-presidente do Burundi Prosper Bazombanza, 38 dos 1.500 reclusos morreram e outros 69 ficaram feridos no incêndio, que deflagrou por volta das 04:00 da manhã na prisão central de Gitega, degradada e superlotada, na capital política do Burundi.

"Mais de um mês após a tragédia (...), o governo não conseguiu dar um relato completo e verdadeiro do que aconteceu e tratar com dignidade os familiares dos falecidos", disse Lewis Mudge, diretor da ONG para a África Central, numa declaração.

Assim, a HRW apela às autoridades do Burundi para que "examinem as circunstâncias em que se desencadeou e alastrou [o incêndio], a resposta das autoridades e a não evacuação dos prisioneiros, e para que contem e identifiquem com precisão os mortos e feridos".

"Devem comunicar as suas conclusões de forma transparente - incluindo os nomes dos mortos e dos feridos - e processar judicialmente qualquer pessoa que possa ser considerada responsável, se necessário", acrescentou a ONG.

O incêndio apanhou alguns prisioneiros a dormir, um deles entrevistado por telefone pela HRW disse que, enquanto muitos dos seus companheiros de prisão tinham sobrevivido no seu bloco, "noutros blocos não acordaram a tempo e muitos morreram".

"Os guardas chegaram às 06:00, mas nessa altura já era demasiado tarde. Entre as 04:00 e as 06:00 da manhã, havia apenas os prisioneiros e o incêndio", acrescentou o mesmo preso.

De acordo com as autoridades, o incêndio foi causado por um curto-circuito. O vice-presidente tinha mencionado as "pequenas ligações de bricolage, anárquicas" feitas pelos prisioneiros para "ter uma pequena ficha para carregar um telefone, uma pequena lâmpada para iluminação".

A prisão central de Gitega, a terceira maior do país construída em 1926, já tinha sido atingida em agosto por um incêndio causado, oficialmente, por um curto-circuito, sem, no entanto, causara baixas.

Leia Também: Incêndio no Burundi mata pelo menos menos 38 presidiários e fere 69

Notícias ao Minuto nomeado para os Prémios Marketeer

O Notícias ao Minuto é um dos nomeados da edição de 2022 dos Prémios Marketeer, na categoria de Digital Media. As votações decorrem até ao próximo dia 31 de maio.

Para nos ajudar a vencer, basta aceder ao site da iniciativa organizada pela revista Marketeer, clicando aqui, e proceder ao preenchimento do formulário, selecionando Notícias ao Minuto na categoria de Digital Media e formalizando depois a votação. Obrigada pela sua preferência!

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório