Meteorologia

  • 24 JANEIRO 2022
Tempo
11º
MIN 6º MÁX 14º

Edição

Nuclear. Chefe da diplomacia da UE e MNE russo admitem acordo

O chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, considerou hoje que o ambiente das negociações sobre o nuclear iraniano está "melhor" depois do Natal, e que será "possível" alcançar um acordo em Viena.

Nuclear. Chefe da diplomacia da UE e MNE russo admitem acordo
Notícias ao Minuto

17:13 - 14/01/22 por Lusa

Mundo Nuclear/Irão:

"O ambiente é melhor depois do Natal. Antes do Natal, estava muito pessimista. Hoje penso que existe uma possibilidade de chegar a um acordo", declarou Borrell no final de uma reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros dos 27 Estados-membros da União Europeia.

Josep Borrel admitiu um possível "resultado final" nas próximas semanas e exprimiu a "esperança que seja possível refazer o acordo e fazê-lo funcionar como ele funcionava antes da retirada americana".

Em Moscovo, o chefe da diplomacia russa, Serguei Lavrov, também se manifestou "otimista" sobre as negociações internacionais destinadas a preservar o acordo de 2015 sobre o nuclear iraniano, ao assinalar "progressos" neste dossier.

"Tenho uma posição otimista, existem verdadeiros progressos e um verdadeiro desejo, entre o Irão e os Estados Unidos, de compreender as inquietações concretas", declarou o chefe da diplomacia russa.

O ministro russo considerou que os negociadores presentes em Viena "têm muita experiência e conhecem os mais pequenos detalhes" dos assuntos em discussão. "Toco na madeira. Pensamos que vão chegar a acordo", indicou.

Após um início difícil, o Irão felicitou-se na segunda-feira pelos "bons progressos" obtidos em pontos decisivos, e saudou os "esforços de todas as partes".

As atuais conversações de Viena destinam-se a recuperar o acordo de 2015, designado Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, assinado então entre Teerão e os Estados Unidos, Reino Unido, França, China, Rússia e ainda Alemanha), que garantia ao Irão uma suavização das sanções ocidentais em troca de um controlo estrito do seu programa nuclear, sob supervisão de inspetores da agência das Nações Unidas.

Em represália pela retirada unilateral dos Estados Unidos do JCPOA, em 2018, e pela nova imposição de severas sanções pela administração do então Presidente Donald Trump, o Irão abandonou a maioria dos seus compromissos.

Teerão iniciou o enriquecimento de urânio até um grau de pureza de 60%, aproximando-se do nível de 90% que lhe pode garantir o fabrico da arma atómica.

De acordo com a Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA), o armazenamento de urânio tem aumentado diariamente e muito para além do limite acordado em 2015.

Após a sua eleição, o Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, que sucedeu a Trump, afirmou pretender o regresso de Washington ao acordo.

Leia Também: Prolongado prazo para consulta sobre rotulagem 'verde' de nuclear e gás

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório