Meteorologia

  • 26 NOVEMBRO 2022
Tempo
16º
MIN 8º MÁX 17º

Mais de 500 pessoas desembarcam na Sicília após duas semanas no mar

Mais de 500 migrantes que estiveram duas semanas no mar começaram hoje a desembarcar na Sicília, depois do governo de Itália ter autorizado a atracagem do navio que os resgatou, noticiou a agência italiana AGI.

Mais de 500 pessoas desembarcam na Sicília após duas semanas no mar

O Ministério do Interior italiano autorizou o navio Geo Barents, fretado pelos Médicos Sem Fronteiras (MSF), com 558 migrantes resgatados a bordo, a atracar no porto de Augusta, tinha anunciado anteriormente na rede social Twitter um responsável do navio.

Os migrantes foram primeiro testados para a covid-19 e só depois começou o desembarque, de acordo com a AGI. Após procedimentos de saúde e administrativos, os migrantes serão colocados em quarentena.

Desde 15 de dezembro, o Geo Barents realizou oito salvamentos, de acordo com a MSF, e entre os migrantes resgatados estava uma mulher grávida de oito meses, vários menores não acompanhados, bem como "pessoas que sofreram violência sexual e abusos aterradores".

Outro navio, o Sea-Watch 3, fretado por uma organização não governamental alemã, aguarda por sua vez permissão para atracar, contando atualmente a bordo 440 migrantes, depois de quatro pessoas terem sido retiradas do navio na terça-feira por razões de saude.

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) estima que mais de 114.500 migrantes conseguiram chegar à Europa desde o início deste ano, concentrando-se em Itália, Grécia, Espanha, Chipre e Malta.

O número de chegadas por mar é maior do que em 2020, ano em que foram registadas 95.031 chegadas, mas continua longe do pico de mais de um milhão de pessoas em 2015.

O ACNUR estima ainda que 1.839 pessoas perderam a vida ou desapareceram durante a tentativa de travessia este ano.

Também hoje, o Papa Francisco classificou a crise migratória como um "escândalo social da humanidade".

A realidade da migração atual é "um escândalo social da humanidade" ao qual "não podemos fechar os olhos", disse o Papa na sua audiência geral semanal no Vaticano, em que considerou os migrantes vítimas da "arrogância e violência dos poderosos", como "aconteceu a Jesus", cuja sagrada família era migrante.

Leia Também: Novos naufrágios ao largo da Líbia fazem mais de 160 mortos

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório