Meteorologia

  • 18 JANEIRO 2022
Tempo
MIN 5º MÁX 14º

Edição

Biden ameaça Putin com sanções "nunca antes vistas" se atacar Ucrânia

O Presidente dos Estados Unidos voltou hoje a ameaçar o seu homólogo russo com sanções "como ele nunca viu antes", caso a Rússia ataque a Ucrânia, um dia após um encontro entre os dois chefes de Estado.

Biden ameaça Putin com sanções "nunca antes vistas" se atacar Ucrânia
Notícias ao Minuto

16:46 - 08/12/21 por Lusa

Mundo Rússia

Joe Biden descartou, no entanto, que os Estados Unidos tenham a intenção de enviar tropas para a Ucrânia se a Rússia a invadir.

"A ideia de que os Estados Unidos usarão força unilateralmente para enfrentar a Rússia se este país invadir a Ucrânia não está, para já, em cima da mesa", afirmou.

Joe Biden já tinha referido a Vladimir Putin, numa conferência virtual realizada na terça-feira entre os dois líderes, que a Rússia arrisca "fortes sanções, incluindo económicas" em caso de escalada militar na Ucrânia.

Biden exprimiu "a profunda preocupação" dos Estados Unidos e dos seus aliados face ao aumento de tropas russas na fronteira com a Ucrânia, segundo anunciou a Casa Branca, adiantando que Biden voltou a garantir apoio à soberania e integridade territorial da Ucrânia e defendeu que qualquer país deve poder "escolher livremente" a quem se associar.

Nas duas horas que durou a conferência virtual entre os dois chefes de Estado, o Presidente dos EUA apelou à diminuição das tensões e ao "regresso à diplomacia" e recusou fazer "promessas ou concessões" a Vladimir Putin, que pretende sobretudo que a NATO feche as portas à entrada da Ucrânia.

Nas últimas semanas, a Ucrânia acusou a Rússia de concentrar mais de 90.000 soldados na fronteira entre os dois países com o objetivo de atacar o seu território durante o inverno.

Em paralelo, Moscovo acusou Kiev de ter concentrado 125.000 militares (ou seja, metade dos efetivos das Forças Armadas ucranianas) na região do Donbass (no leste), em plena linha da frente.

A Ucrânia é, desde 2014, palco de um conflito entre Kiev e os separatistas pró-russos no leste do país, que já causou mais de 13.000 mortos e começou após a anexação da península da Crimeia pela Rússia.

Leia Também: França ameaça Rússia caso ataque Ucrânia. Putin diz ter de se defender

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório