Meteorologia

  • 21 JANEIRO 2022
Tempo
MIN 5º MÁX 14º

Edição

Nuclear. EUA acusam Irão de não ser construtivo nas novas negociações

Os Estados Unidos acusaram hoje o Irão de não se comportar de forma construtiva na sétima ronda de negociações para o retomar do acordo nuclear de 2015, instando os iranianos a demonstrar "maior compromisso" nas conversações.

Nuclear. EUA acusam Irão de não ser construtivo nas novas negociações
Notícias ao Minuto

21:26 - 03/12/21 por Lusa

Mundo EUA/Irão

"Infelizmente, esta semana, o foco do Irão não foi tentar resolver as questões restantes [para salvar o acordo nuclear]", disse a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, na conferência de imprensa diária.

A porta-voz da Casa Branca afirmou que o novo Governo iraniano, do ultraconservador Ebrahim Raisí, "não chegou a Viena com propostas construtivas". 

"O Irão iniciou a nova ronda de negociações com novas provocações nucleares, conforme confirmado quarta-feira pela AIEA [Agência Europeia de Energia Atómica]. E ainda não chegaram a um acordo com a AIEA para restaurar a cooperação, que optaram por degradar nos últimos meses", sublinhou Psaki.

Quarta-feira, a AIEA anunciou que o Irão intensificou o seu programa nuclear ao produzir mais urânio enriquecido com equipamentos mais modernos em instalações subterrâneas, em violação aos termos do acordo nuclear. 

Psaki acrescentou que o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, está "comprometido" com a reintegração norte-americana no acordo nuclear, de que Washington se retirou em 2018, e cumprir as suas exigências "desde que o Irão faça o mesmo". 

"Se o Irão demonstrar um compromisso igual [ao dos Estados Unidos], haverá uma solução à vista, mas esta semana não vimos que tenham demonstrado isso", enfatizou a porta-voz de Biden.

A reação dos Estados Unidos, que participaram indiretamente na sétima ronda de negociações que decorreu esta semana em Viena, vai no mesmo sentido que a expressa anteriormente por fontes diplomáticas dos três países europeus que fazem parte do diálogo: Alemanha, França e o Reino Unido.

As discussões serão retomadas em meados da próxima semana, mas "não está clara a forma como este distanciamento possa ser resolvido num calendário realista e na base do projeto iraniano", sustentaram fontes diplomáticas ocidentais, sob condição de anonimato.

Apesar dos comentários críticos, os diplomatas europeus continuam a manifestar o seu "pleno empenho na busca de uma solução diplomática". "O tempo urge", insistiram.

O designado JCPOA (Plano de Ação Conjunto Global), concluído em 2015 entre o Irão e seis potências (EUA, Rússia, China, França, Reino Unido e Alemanha), e na presença da União Europeia, está moribundo desde 2018 após a administração do então Presidente dos EUA Donald Trump ter decidido a sua retirada unilateral do acordo e impor a Teerão um verdadeiro bloqueio económico através de pesadas sanções.

Pelo contrário, o acordo de 2015 oferecia a Teerão um levantamento de parte das sanções em troca de uma redução drástica do seu programa nuclear, colocado sob o controlo da ONU.

Em resposta à decisão de Trump, o Irão optou por renunciar aos seus compromissos, e agora exige o fim das sanções como primeira medida para o regresso aos compromissos de 2015.

Leia Também: EUA sem otimismo sobre regresso do Irão ao acordo nuclear

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório