Meteorologia

  • 20 MAIO 2022
Tempo
18º
MIN 18º MÁX 34º

Nova variante "não é motivo de pânico", diz diretor do África CDC

O diretor do África CDC assegurou hoje que a nova variante do SARS-CoV-2 preocupa, mas não é motivo de pânico e defendeu que a fase aguda da pandemia de covid-19 já acabou.

Nova variante "não é motivo de pânico", diz diretor do África CDC
Notícias ao Minuto

13:52 - 02/12/21 por Lusa

Mundo Covid-19

Na sua conferência de imprensa semanal desde Adis Abeba, o diretor do Centro de Controlo e Prevenção e Doenças da União Africana (África CDC), John Nkengasong, admitiu que a organização que dirige está preocupada com o aparecimento da nova variante, Ómicron, mas garantiu que a situação pode ser gerida com as ferramentas que existem.

"Não há absolutamente qualquer necessidade de pânico", disse, sublinhando tratar-se de "uma nova variante e não de um novo vírus" e que as ferramentas que se usaram para lidar com a pandemia nos últimos dois anos "são eficazes contra todas as variantes".

No entanto, sublinhou a necessidade de vacinar uma grande proporção da população, o que ainda está longe de acontecer em África, onde apenas 7% da população está totalmente vacinada.

Reconhecendo que as vacinas estão finalmente a chegar ao continente de forma regular e previsível, o diretor do África CDC lamentou que a adesão não esteja a ser tão rápida como seria desejável.

Adiantou que haverá ainda este mês uma reunião dos ministros da Saúde dos 54 países-membros da União Africana para estudar formas de aumentar a adesão à vacinação.

"Não temos verdadeiramente outra alternativa. Temos de usar estas vacinas", avisou, após referir que os países da União Africana adquiriram 417,5 milhões de doses da vacina para a covid-19, das quais apenas 235,8 milhões de doses foram administradas, o que representa 56,46% das vacinas disponíveis no continente.

Nkegasong defendeu que a fase aguda da pandemia já terminou e agora é preciso lidar com a sua fase crónica.

Lembrou que em 2020 as únicas ferramentas que havia para impedir a disseminação do novo coronavírus eram as medidas de saúde pública: lavar as mãos, cobrir o nariz, distanciamento social.

"Em 2021, a situação evoluiu, as vacinas ficaram disponíveis e passámos a ter duas ferramentas: as medidas de saúde pública e as vacinas", sublinhou, recordando que em 2022 haverá também medicamentos, pelo que serão três as ferramentas disponíveis.

"A fase de reação acabou. Agora temos de olhar para um programa: com estas três ferramentas o que podemos fazer, temos de olhar para a fase crónica desta doença", afirmou.

Na sua intervenção, o responsável alertou ainda para o risco de um surto no final de dezembro, início de janeiro, após as festas de fim de ano.

"Se toda a família estiver vacinada, podem celebrar sem máscaras. Mas se receberem estranhos dentro de casa ponham as máscaras para evitar espalhar esta nova variante, sobre a qual ainda não sabemos muito", aconselhou.

A covid-19 provocou pelo menos 5.206.370 mortes em todo o mundo, entre mais de 261,49 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Uma nova variante, a Ómicron, foi recentemente detetada na África do Sul.

Na sua conferência de imprensa de hoje, John Nkengasong, disse que o continente regista até hoje um total acumulado de 8,6 milhões de infetados com o coronavírus, ou seja 3,3% dos casos a nível global.

No total, 223 mil pessoas morreram com a covid-19, o que representa 4,3% das mortes a nível mundial.

Anunciou ainda que número de novos casos de covid-19 em África mais do que duplicou na última semana, muito devido ao aparecimento da nova variante.

Leia Também: ECDC admite que Ómicron cause mais de metade de infeções futuramente

Notícias ao Minuto nomeado para os Prémios Marketeer

O Notícias ao Minuto é um dos nomeados da edição de 2022 dos Prémios Marketeer, na categoria de Digital Media. As votações decorrem até ao próximo dia 31 de maio.

Para nos ajudar a vencer, basta aceder ao site da iniciativa organizada pela revista Marketeer, clicando aqui, e proceder ao preenchimento do formulário, selecionando Notícias ao Minuto na categoria de Digital Media e formalizando depois a votação. Obrigada pela sua preferência!

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório