Meteorologia

  • 23 JANEIRO 2022
Tempo
13º
MIN 6º MÁX 14º

Edição

EUA afirmam que vão demorar semanas para ter dados sobre Ómicron

A 'task force' do governo dos Estados Unidos contra a pandemia admitiu hoje que demorará semanas, cerca de duas a quatro, para obter informações suficientes sobre a nova variante da Covid-19, Ómicron, como a capacidade de transmissão e agressividade.

EUA afirmam que vão demorar semanas para ter dados sobre Ómicron
Notícias ao Minuto

07:22 - 01/12/21 por Lusa

Mundo Covid-19

Por esse motivo, tanto o conselheiro de Saúde da Casa Branca, Anthony Fauci, como a diretora do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC), Rochelle Walensky, e o coordenador da 'task force' da Administração Biden, Jeff Zients, insistiram em recomendar aos norte-americanos uma dose de reforço ou a primeira, se ainda não tiverem sido inoculados.

Além disso, em conferência de imprensa, defenderam a eficácia das medidas de proteção que o país tem vigor, numa altura marcada por muitas viagens, embora admitindo que poderão ser alteradas.

Quaisquer dados sobre a capacidade de transmissão ou a gravidade que provoca o contágio da variante Ómicron são, neste momento, puramente "especulativos", segundo Anthony Fauci.

O principal epidemiologista da Casa Branca explicou que tem de se esperar pela análise do CDC e do Instituto Nacional de Saúde (NIH).

Em duas ou quatro semanas, ou ainda antes, espera-se saber mais sobre a Ómicron, destacando que, por enquanto, segundo dados partilhados por outros países, os infetados pela nova variante não apresentam sintomas anormais.

Os três especialistas insistiram que a vacina é a melhor proteção atualmente.

Anthony Fauci destacou que a vacina e principalmente o reforço conferem um "alto nível de anticorpos" e, portanto, de proteção. Daí a sua insistência para que os norte-americanos sejam inoculados.

A diretora do CDC, Rochelle Walensky, por sua vez, fez um novo apelo aos 45 milhões de norte-americanos que ainda não foram vacinados. "Agora é a hora", disse.

Rochelle Walensky considerou "robusta" a regulamentação em vigor para as pessoas que aterram no país e lembrou que todos têm de apresentar um teste negativo, estejam ou não vacinados.

A Casa Branca não descarta, porém, que possa haver mudanças.

"Em termos de restrições de viagens, em pouco tempo aprenderemos mais sobre a variante, a sua transmissibilidade e gravidade", adiantou Jeff Zients, que acrescentou que, com base nos dados obtidos, a 'task force' informará sobre as possíveis alterações das medidas.

Leia Também: Comércio mundial tinha sinais fortes de recuperação antes da Ómicron

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório