Meteorologia

  • 20 JANEIRO 2022
Tempo
MIN 5º MÁX 15º

Edição

Homem que sobreviveu a execução falhada morre de cancro linfático

O homem estava no corredor da morte do Alabama desde 1987.

Homem que sobreviveu a execução falhada morre de cancro linfático

Doyle Hamm, que sobreviveu a uma execução falhada em 2018, no Alabama, nos Estados Unidos da América (EUA), morreu na manhã de domingo vítima de um cancro linfático, anunciou o seu advogado.

O homem, que era doente terminal desde 2014, foi condenado à morte em 1987 e serviu mais de 33 anos de pena pelo homicídio de Patrick Cunningham, que foi baleado na cabeça enquanto trabalhava no Anderson’s Motel, em Cullman.

Em fevereiro de 2018, Hamm sobreviveu à sua execução, depois de os funcionários terem procurado durante duas horas e meia por uma veia na qual pudessem administrar a injeção letal.

A data foi marcada depois de uma série de batalhas legais quanto a esta mesma possibilidade, já que, segundo Bernard Harcourt, seu advogado, as veias de Hamm estariam praticamente inutilizáveis, devido ao seu uso de drogas no passado, bem como pelo tratamento para o cancro.

O Estado do Alabama considerou, por sua vez, que não havia razão para o homem não ser executado depois de 30 anos no corredor da morte e que o cancro estava em remissão.

Assim, os funcionários da cadeia negaram qualquer problema com o procedimento, alegando que este foi adiado devido ao limite de tempo estabelecido.

Hamm processou a prisão de Holman, alegando que a situação tinha sido cruel. O estabelecimento prisional acabou por concordar em não reagendar a data de execução do homem, que acabou por morrer aos 64 anos.

Leia Também: Condenado à morte executado no Alabama

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório