Meteorologia

  • 22 JANEIRO 2022
Tempo
MIN 5º MÁX 14º

Edição

Hondurenhos elegem hoje novo presidente em clima de violência e corrupção

Mais de cinco milhões de eleitores escolhem hoje o novo presidente das Honduras, em clima de violência generalizada e com gangues de traficantes de droga cujas teias de corrupção chegaram às mais altas esferas do Estado.

Hondurenhos elegem hoje novo presidente em clima de violência e corrupção
Notícias ao Minuto

07:07 - 28/11/21 por Lusa

Mundo Eleições Honduras

A expectativa é que estas eleições possam pôr fim à crise política que grassa no país desde o golpe de Estado de 2009, que depôs o Presidente de esquerda Manuel Zelaya, agudizada com a reeleição, em 2017, do Presidente da direita conservadora Juan Orlando Hernández, fortemente rejeitado por diversos setores da sociedade e acusado pelos principais líderes da oposição de corrupção e envolvimento no tráfico de droga.

Dos 13 candidatos presidenciais, Xiomara Castro, líder do partido de esquerda LIBRE e mulher do ex-presidente Zelaya, é a favorita, de acordo com várias sondagens, mas o Partido Nacional (PN, partido no poder), representado pelo presidente da câmara da capital, Tegucigalpa, Nasry Asfura, ainda não disse a última palavra.

Sentindo os ventos de mudança, o Partido Nacional (PN, há 12 anos no poder) endureceu o tom da sua campanha, chamando à líder do LIBRE "comunista" e criticando as suas propostas de legalização do aborto e do casamento homossexual, temas particularmente polémicos no pequeno país conservador, cuja população divide as suas crenças entre o catolicismo e o evangelismo.

Além disso, o partido de direita é conhecido por não rejeitar recorrer à fraude para ganhar eleições.

Em 2013, o Presidente cessante bateu por uma estreita margem Xiomara Castro e, em seguida, contornou a Constituição para poder candidatar-se a um segundo mandato em 2017.

A sua questionável reeleição, por pouco, contra a celebridade televisiva Salvador Nasralla, desencadeou violentos protestos populares.

O escrutínio de hoje anuncia-se renhido e o período pós-eleitoral, tenso, com troca de acusações de fraude e não-aceitação dos resultados.

Mais de metade dos quase 10 milhões de habitantes do país vivem abaixo do limiar da pobreza, e a pandemia de covid-19 mais não fez que agravar a miséria.

O desemprego quase duplicou num ano, passando de 5,7% em 2019 para 10,9% em 2020.

Contudo, as propostas concretas estiveram quase totalmente ausentes da campanha eleitoral.

O candidato Yani Rosenthal, do Partido Liberal (centro-direita), terceiro nas sondagens, apenas prometeu dar mensalmente a cada adulto um vale de compras no valor de 60 dólares (53 euros).

Mas essa proposta é encarada com ceticismo, por ser feita por um candidato que cumpriu três anos de prisão nos Estados Unidos por branqueamento de dinheiro da droga.

Segundo o diretor de uma organização não-governamental pró-democracia hondurenha, Victor Meza, as Honduras são "um Estado em processo de decomposição, parcialmente nas mãos do crime organizado", pelo que o vencedor das eleições tem uma "lista de desafios enorme, sendo o primeiro deles reconstruir as instituições democráticas do país".

Nos últimos dois anos, o parlamento dissolveu uma comissão anticorrupção apoiada pela Organização dos Estados Americanos (OEA) e adotou um novo Código Penal prevendo penas mais leves para crimes de corrupção e tráfico de droga. É sabido que muitos parlamentares eram alvo de inquéritos por parte dessa comissão.

Traficantes de droga detidos nos Estados Unidos implicaram o Presidente Hernández, ao passo que Tony Hernández, seu irmão, foi condenado por um tribunal federal norte-americano a prisão perpétua pelo seu envolvimento no tráfico de 185 toneladas de cocaína.

Leia Também: ONU pede ambiente pacífico e sem medo para eleições nas Honduras

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório