Meteorologia

  • 21 MAIO 2022
Tempo
25º
MIN 17º MÁX 25º

Pagamentos de empresas de energia "sustentam" junta militar em Myanmar

Os pagamentos por empresas do setor da energia a entidades controladas pelos militares em Myanmar estão a sustentar a junta que tomou o poder e representam sérios riscos para os investidores dessas empresas, acusa a Human Rights Watch.

Pagamentos de empresas de energia "sustentam" junta militar em Myanmar
Notícias ao Minuto

15:43 - 19/11/21 por Lusa

Mundo Myanmar

A organização de defesa dos direitos humanos revela, num relatório hoje divulgado, que escreveu a dezenas de investidores, grandes acionistas de sociedades que operam em parceria com entidades sob o controlo da junta instalada pelos militares de Myanmar, alertando para essa situação e os riscos, legais, financeiros e reputacionais, que correm.

"Projetos [de empresas estrangeiras] de exploração de gás natural geram anualmente mais de mil milhões de dólares em receitas para a junta, transferidos em dólares norte-americanos para as contas bancárias da junta militar em países estrangeiros", acusa a HRW.

"Os investidores precisam de agir para bloquearem" esses pagamentos disse John Sifton, diretor jurídico da Human Rights Watch para a Ásia, já que a junta militar "é altamente dependente desses rendimentos vindos do estrangeiro e bloqueá-los pode ser a única maneira de conseguir mudanças no seu comportamento".

Ao abrigo de contratos existentes com entidades governamentais, as empresas de energia têm opções limitadas para travar os pagamentos que vão para a junta, mas, se houver determinações impostas pelos governos dos Estados Unidos, países da União Europeia ou outros governos-chave, terão de aplicar sanções ou regulação financeira que bloqueiem esses pagamentos, diz a HRW.

Para pressionar nesse sentido, a organização enviou as cartas, advertindo para os riscos legais, financeiros e reputacionais que correm grandes investidores de empresas como a Total Energies, a Chevron, a PTT ou a sua subsidiária PTTEP, e a POSCO, responsáveis pela maior parte da exploração de gás natural de Myanmar.

Entre esses investidores estão a Blackrock, a State Street e a Vanguard que detêm participações substanciais nas quatro empresas, mas também a JP Morgan Chase, o Bank of New York Mellon, a Fisher Asset Management e a Dimensional Fund Advisors, além de vários outros fundos de investimento.

"Os investidores devem usar a sua influência como principais acionistas para convencer as empresas a apoiar as sanções dos EUA, da UE e de outros governos envolvidos, congelando os pagamentos nas contas 'offshore' da junta", disse Sifton.

"Não agir perpetua danos ao povo de Myanmar e só expõe as empresas a mais riscos", sublinhou.

Leia Também: Jornalista dos EUA preso em Myanmar regressa a Nova Iorque

Notícias ao Minuto nomeado para os Prémios Marketeer

O Notícias ao Minuto é um dos nomeados da edição de 2022 dos Prémios Marketeer, na categoria de Digital Media. As votações decorrem até ao próximo dia 31 de maio.

Para nos ajudar a vencer, basta aceder ao site da iniciativa organizada pela revista Marketeer, clicando aqui, e proceder ao preenchimento do formulário, selecionando Notícias ao Minuto na categoria de Digital Media e formalizando depois a votação. Obrigada pela sua preferência!

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório