Meteorologia

  • 02 DEZEMBRO 2021
Tempo
13º
MIN 10º MÁX 14º

Edição

Afeganistão: Países vizinhos insistem em Governo inclusivo em Cabul

Os países vizinhos do Afeganistão insistiram hoje, numa conferência realizada em Teerão, na necessidade de Cabul formar um governo inclusivo para que haja estabilidade na região.

Afeganistão: Países vizinhos insistem em Governo inclusivo em Cabul

A conferência visou analisar a situação no Afeganistão após os talibãs terem tomado o poder no país, em meados de agosto, e contou com a presença física dos chefes da diplomacia do Paquistão, Tajiquistão, Uzbequistão e Turquemenistão, e, através de videoconferência, dos da China e da Rússia e do secretário-geral da ONU.

"Apoiamos a formação de um Governo inclusivo no Afeganistão", disse o ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano, Hossein Amir Abdollahian, sublinhando que o futuro executivo afegão deve incluir os diferentes grupos étnicos do país "para evitar mais violência" e garantir a estabilidade na região.

Por seu lado, o chede da diplomacia paquistanesa, Shah Mehmood Qureshi, sublinhou que o Governo de Cabul terá de representar "todos os afegãos", enquanto o homólogo russo, Serguei Lavrov, realçou que Moscovo apoiará um executivo com essas características, lembrando, porém, que é algo que não pode ser imposto a partir de fora do país.

Uns após outros, os chefes da diplomacia presentes insistiram na criação de um "mecanismo político inclusivo" para resolver as divergências no Afeganistão, após 20 anos de guerra e da retirada militar dos Estados Unidos.

Em setembro, os talibãs nomearam um Governo interino liderado pelo 'mullah' Mohammad Hassan Akhund, executivo mais tarde alargado, mas que não conta com mulheres.

Hoje, na conferência, o diplomata iraniano também alertou para a obrigação de a comunidade internacional distribuir ajuda para evitar uma crise humanitária. 

A este respeito, numa intervenção por videoconferência, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, afirmou que o Afeganistão enfrenta "uma crise humanitária de grandes dimensões" e manifestou repúdio às violações dos direitos humanos que estão a acontecer no país.

Para evitar essa crise, o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, reiterou o pedido aos Estados Unidos e ao Ocidente para suspenderem as sanções ao Afeganistão, posição também defendida pelos iranianos. 

"Os talibãs querem dialogar com o mundo", sublinhou Wang, enquanto Lavrov garantiu que a Rússia vai enviar ajuda humanitária para o Afeganistão, reiterando que à Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO) não seja dada permissão para sobrevoar território afegão.

"Mais uma vez pedimos aos países vizinhos do Afeganistão que não permitam nos seus territórios a presença militar das forças dos Estados Unidos e da NATO, que planeiam ficar aí estacionadas após a retirada do Afeganistão", sublinhou Lavrov.

A reunião de Teerão é a segunda realizada pelos países vizinhos do Afeganistão, depois da primeira que decorreu no Paquistão, em setembro. A China organizará a terceira, em data ainda a definir.

Leia Também: Mulheres manifestam-se em Cabul e queixam-se do "silêncio do mundo"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório