Meteorologia

  • 08 DEZEMBRO 2021
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 14º

Edição

Protestos terão provocado pelo menos 12 mortos no reino de Essuatíni

Pelo menos 12 pessoas morreram esta semana devido à repressão dos protestos pró-democracia no reino de Essuatíni (antiga Suazilândia), que exigem reformas sociais ao regime do rei Mswati III, o último monarca absoluto em África, revelaram fontes opositoras.

Protestos terão provocado pelo menos 12 mortos no reino de Essuatíni
Notícias ao Minuto

16:16 - 21/10/21 por Lusa

Mundo Essuatíni

Segundo a Swaziland Solidarity Network, um grupo crítico do monarca com sede na vizinha África do Sul, morreram 12 pessoas nas manifestações, mas o número não foi ainda confirmado pelo regime. 

"Estão a matar pessoas, estão a afastá-las das suas casas porque querem a democracia. Essuatíni??????? como monarquia absoluta está acabado, tem de dar espaço a vozes diferentes e dissidentes. [O rei] deve permitir que o direito e a democracia prevaleçam", disse o secretário-geral do grupo, Themba Masango, citado pela agência noticiosa Efe.

Os protestos, inicialmente impulsionados por estudantes, espalharam-se por todos os setores, desde trabalhadores da área da saúde, dos transportes, a funcionários públicos.

No fim de semana passado, o Governo ordenou o encerramento das escolas do país e o destacamento do Exército de modo a controlar os estudantes, o que foi internacionalmente criticado, incluindo pelas Nações Unidas. 

De acordo com a emissora pública sul-africana SABC (South African Broadcasting Corporation), ??????estas medidas foram hoje agravadas pelo encerramento de alguns serviços de Internet, incluindo o acesso à rede social Facebook, e dos serviços telefónicos. 

Dada a tensão crescente, a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC, na sigla em inglês) decidiu hoje organizar uma missão de visita ao país e reunir-se com Mswati III através de representantes da África do Sul, Namíbia e Botsuana. 

Esta nova onda de protestos retoma o descontentamento que tinha atingido o país em junho e julho deste ano contra a última monarquia absoluta africana. 

O reino de Essuatíni, que está sob o domínio de Mswati III desde 1986, tem uma população de 1,2 milhões de pessoas, principalmente do meio rural. Cerca de 60% da sua população vive abaixo do limiar de pobreza, de acordo com dados do Banco Mundial.

A situação social contrasta com a vida "luxuosa desfrutada por Mswati III e pela sua família".

Leia Também: Pelo menos 27 mortos em protestos contra monarquia absoluta no Essuatíni

Lusa/Fim

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

;
Campo obrigatório