Meteorologia

  • 26 OUTUBRO 2021
Tempo
19º
MIN 14º MÁX 25º

Edição

Seis pessoas detidas no Ruanda por críticas ao Governo

Seis pessoas, incluindo um youtuber e três membros do partido da oposição, foram detidos no Ruanda na quarta-feira sob a acusação de "espalhar rumores" para destabilizar o Governo, anunciaram hoje as autoridades.

Seis pessoas detidas no Ruanda por críticas ao Governo
Notícias ao Minuto

18:02 - 14/10/21 por Lusa

Mundo Ruanda

Entre os seis detidos encontra-se o 'youtuber' Thoneste Nsengimana, do canal Umubavu TV, que tem mais de 16 milhões de visualizações e no qual participam ruandeses que denunciam alegadas violações dos direitos humanos por parte do Governo.

"É um grupo organizado que pretende espalhar rumores destinados a provocar revoltas ou agitação entre a população utilizando diferentes plataformas de redes sociais", explicou o porta-voz do Gabinete de Investigação Ruandês (RIB), Thierry Murangira, citado pela agência France-Presse.

Numa declaração nsta quarta-feira à noite, o RIB instou os ruandeses a desconfiarem de alguns comentadores de redes sociais que procuram "minar a segurança nacional" e o Governo, recordando que "qualquer pessoa presa será processada".

Três dos detidos pertencem ao partido não registado Dalfa Umurunzi, disse a fundadora do movimento e opositora Victoire Ingabire.

"Tomo isto como uma intimidação. Não sei quais são os rumores" que levaram à prisão destes membros do partido, declarou Ingabire. 

A fundadora do movimento regressou do exílio em 2010 para concorrer contra o Presidente Paul Kagame nas eleições, mas foi presa e encarcerada durante oito anos sob a acusação de terrorismo, uma pena posteriormente aumentada para 15 anos. Foi libertada após um indulto presidencial em 2018.

Várias pessoas foram presas pelas autoridades após a publicação de conteúdos críticos ao Governo no YouTube, suscitando preocupação entre os grupos de direitos civis.

No mês passado, Yvonne Idamage, 42 anos, foi condenada, entre outras coisas, por "incitar à violência" e condenada a 15 anos de prisão e multada em mais de 1.700 euros depois de acusar Kagame e o seu Governo de ditadura.

O Ruanda, liderado por Paul Kagame desde o final do genocídio de 1994, que matou 800.000 pessoas segundo a Organização das Nações Unidas, principalmente da minoria tutsi.

O Presidente é regularmente acusado pelas organizações não-governamentais de reprimir a liberdade de expressão, e de não aceitar críticas nem oposição política.

Em março, a organização Human Rights Watch (HRW) expressou preocupação face à atitude das autoridades em relação às pessoas que utilizam o YouTube ou blogues para se expressarem sobre questões por vezes controversas.

A HRW denunciou que pelo menos oito pessoas que relataram ou comentaram as notícias, incluindo o impacto das duras medidas anti-covid-19, tinham sido ameaçadas, presas ou processadas no ano passado.

Leia Também: Apresentada queixa contra antigo político ruandês por ligação a genocídio

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório