Meteorologia

  • 26 OUTUBRO 2021
Tempo
24º
MIN 14º MÁX 25º

Edição

AI: Prémio Daphne Caruana realça importância da liberdade de imprensa

A Amnistia Internacional (AI) considerou hoje que a criação do Prémio Daphne Caruana de Jornalismo do Parlamento Europeu (PE), atribuído aos jornalistas do projeto Pegasus, coordenado pelo Consórcio Forbidden Stories, vem realçar a importância da liberdade de imprensa.

AI: Prémio Daphne Caruana realça importância da liberdade de imprensa

Num comunicado enviado à agência Lusa, a diretora do Gabinete de Instituições Europeias da AI, Eve Geddie, lembra que a organização de defesa e promoção dos direitos humanos também participou como parceira técnica no projeto e que as "Forbidden Stories" (Histórias Proibidas) expuseram a perseguição sistemática de ativistas de direitos humanos, jornalistas e advogados com vigilância 'software'.

"O Projeto Pegasus revelou que jornalistas, ativistas e advogados de todo o mundo estão a ser alvo de governos que desejam silenciá-los e intimidá-los. Este prémio oferece um reconhecimento importante para aqueles cujo trabalho está sob ataque e para os jornalistas e tecnólogos que trouxeram à luz as práticas duvidosas de empresas de vigilância e suas ferramentas", sustentou Eve Geddie.

"O assédio, intimidação e ataques a jornalistas, especialmente aqueles que relatam assuntos delicados como a corrupção, violações de direitos e gestão da pandemia, tornaram-se mais comuns em todo o mundo", frisou Eve Geddie.

Segundo a responsável da AI, em toda a União Europeia (UE), a vigilância, processos por difamação e outras disposições que restringem ou criminalizam o discurso são cada vez mais utilizados para intimidar as vozes críticas ao silêncio. 

"É vital que os países da UE lidem com esses abusos, protejam os jornalistas e defensores dos direitos e garantam uma regulamentação robusta e significativa sobre a indústria de vigilância cibernética, tanto em casa como no exterior. As vítimas da vigilância direcionada ilegal devem receber garantias eficazes e os perpetradores das violações - incluindo governos que usam 'spyware' Pegasus - devem ser responsabilizados", concluiu.

Os jornalistas do projeto Pegasus, coordenado pelo consórcio Forbidden Stories (Histórias Proibidas), receberam hoje o prémio atribuído pelo Parlamento Europeu, atribuído pela primeira vez para homenagear Daphne Caruana, jornalista maltesa assassinada enquanto investigava casos de corrupção.

A cerimónia realizou-se de manhã na sede do Parlamento Europeu, em Bruxelas, onde o secretário-geral da Federação Internacional de Jornalistas, Anthony Bellanger, em representação dos 29 membros do júri europeu, entregou o prémio de 20 mil euros aos representantes do consórcio, Sandrine Rigaud e Laurent Richard.

Ao todo, mais de 200 jornalistas dos 27 países da UE concorreram à iniciativa com trabalhos jornalísticos, sendo que a escolha acabou por incidir sobre o consórcio de jornalistas Forbidden Stories, do projeto Pegasus, cuja missão consiste em aprofundar as investigações de casos de jornalistas assassinados, detidos ou sob ameaça.

Desde a criação do projeto, em 2017, estes jornalistas têm prosseguido o trabalho de Daphne Caruana e de outros profissionais do setor assassinados na sequência das suas investigações sobre crimes ambientais ou cartéis mexicanos, por exemplo.

O projeto conta com mais de 30 agências de notícias parceiras em todo o mundo e quase 100 jornalistas, numa rede de jornalismo colaborativo, que já foi distinguida com outros galardões prestigiados a nível mundial, como os prémios Europeu de Imprensa e Georges Polk.

O Prémio Daphne Caruana, foi lançado em dezembro de 2019 em homenagem à jornalista de investigação maltesa assassinada em 2017 num atentado com um carro armadilhado.

Este será um prémio anual atribuído por volta do dia 16 de outubro, data em que Daphne Caruana foi assassinada, visando distinguir o "jornalismo de excelência que fomente e defenda os princípios e valores fundamentais da União Europeia, tais como a dignidade humana, a liberdade, a democracia, a igualdade, o Estado de direito e os direitos humanos", de acordo com a assembleia europeia.

Leia Também: AO MINUTO: Menos 14 internados; EMA avalia medicamento para a Covid-19

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório