Meteorologia

  • 20 OUTUBRO 2021
Tempo
19º
MIN 16º MÁX 26º

Edição

Mais de 700 mortes na rota migratória das Canárias entre janeiro e agosto

Pelo menos 785 pessoas morreram na rota migratória em direção ao arquipélago espanhol das Canárias entre janeiro e agosto, mais do dobro do número registado no mesmo período em 2020, divulgou hoje a Organização Internacional para as Migrações (OIM).

Mais de 700 mortes na rota migratória das Canárias entre janeiro e agosto

Entre as vítimas mortais ou pessoas dadas como desaparecidas constam 177 mulheres e 50 crianças que tentaram fazer a travessia desta rota, apontou a agência do sistema das Nações Unidas, precisando que agosto foi o mês mais mortífero com a contabilização de 379 mortes, o que representa "quase metade do número total de mortes registadas desde o início do ano".

Este novo balanço da OIM revela que o número de mortes nesta rota migratória mais do que duplicou em comparação com o período homólogo de 2020, quando a organização contabilizou 320 vítimas mortais.

"No total, durante todo o ano de 2020, foram registadas 850 mortes nesta rota migratória, o número mais elevado de mortes registadas num único ano desde que a OIM começou a recolher dados em 2014", referiu a organização liderada pelo português António Vitorino.

A rota da África Ocidental, que atravessa o Atlântico e a costa oeste de África até às Canárias, é conhecida por ser extremamente perigosa, por causa das fortes correntes marítimas.

Mesmo com tais perigos, esta rota tem atraído cada vez mais migrantes, sobretudo provenientes de países da África subsaariana, que desejam chegar ao território europeu, a grande maioria a bordo de embarcações muito precárias e sobrelotadas.

O diretor do centro de análise de dados da OIM, Frank Laczko, admite que estas estatísticas estão seguramente subestimadas.

"Estima-se que os 'naufrágios invisíveis' [quando as embarcações com migrantes não são detetadas por radares e muitas delas acabam por desaparecer e naufragar], que não deixam sobreviventes, são frequentes nesta rota marítima, mas são quase impossíveis de confirmar", afirmou o representante.

Mesmo quando são sinalizadas embarcações em perigo, é difícil determinar o número exato de pessoas desaparecidas.

"Durante os primeiros oito meses de 2021 chegaram às Ilhas Canárias por mar 9.386 pessoas, um aumento de 140% em relação ao mesmo período do ano passado (3.933)", de acordo com a OIM.

A organização não-governamental (ONG) espanhola Caminando Fronteras estima que 36 embarcações que se dirigiam para o arquipélago espanhol das Canárias desapareceram sem deixar vestígios durante o primeiro semestre de 2021.

Espanha, a par da Grécia, Itália ou Malta, é um dos países da "linha da frente" ao nível das chegadas de migrantes irregulares à Europa.

Leia Também: Migrações: ONU "muito preocupada" com expulsão de haitianos pelos EUA

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório