Meteorologia

  • 19 OUTUBRO 2021
Tempo
24º
MIN 17º MÁX 28º

Edição

Angola com 453 casos confirmados e 26 óbitos nas últimas 24 horas

Angola registou 453 casos, 26 óbitos, o número mais alto pelo terceiro dia consecutivo desde o início da pandemia no país, e 427 recuperados da doença, nas últimas 24 horas, anunciaram hoje as autoridades sanitárias.

Angola com 453 casos confirmados e 26 óbitos nas últimas 24 horas
Notícias ao Minuto

20:13 - 23/09/21 por Lusa

Mundo Covid-19

De acordo com o boletim epidemiológico da Direção Nacional de Saúde Pública, os casos positivos foram reportados em 12 províncias do país, com Luanda, capital angolana, a liderar a lista de infeções com 324 dos 453 casos.

Os casos, que atingiram pessoas desde os 7 dias de vida e 86 anos, afetaram 246 do sexo masculino e 207 do sexo feminino.

Relativamente aos óbitos, 15 do sexo masculino e 11 do sexo feminino, entre 6 meses e 96 anos, foram notificados em Luanda (11), Huíla (sete), Cuanza Sul (três), Benguela (dois), Huambo (dois) e Uíje (um).

No mesmo período foram consideradas recuperadas da doença 427 pessoas, entre 1 e 79 anos, sendo 384 em Luanda, 23 na Huíla, sete no Huambo, quatro em Benguela, três no Namibe e no Moxico, duas no Bié e uma no Cunene.

Com os dados das últimas 24 horas, o país somou 53.840 casos positivos, 1.460 óbitos, 46.679 recuperações e 5.701 ativos, dos quais 38 em estado crítico, 47 graves, 171 moderados, 89 leves e 5.356 assintomáticos.

Estão internados 345 doentes, em quarentena institucional 187 pessoas e sob vigilância epidemiológica 3.199 contactos.

Os laboratórios processaram 3.588 amostras por RT-PCR, apontando o cumulativo para 975.904 amostras processadas até à presente data, com uma taxa de positividade de 5,5%.

A covid-19 provocou pelo menos 4.715.909 mortes em todo o mundo, entre mais de 230 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Leia Também: Desigualdade na administração de vacinas é "chocante", diz João Lourenço

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório