Meteorologia

  • 18 OUTUBRO 2021
Tempo
25º
MIN 16º MÁX 28º

Edição

AO MINUTO: Internamentos e casos ativos em Portugal continuam a descer

Acompanhe aqui AO MINUTO os mais recentes desenvolvimentos sobre a Covid-19 em Portugal e no Mundo.

AO MINUTO: Internamentos e casos ativos em Portugal continuam a descer

O primeiro-ministro prepara-se para anunciar esta quinta-feira, depois do Conselho de Ministros, o levantamento de um conjunto de restrições que vigoraram por causa da Covid-19, mas com efeitos a partir de 1 de outubro para evitar "confusão" com as eleições autárquicas de domingo. "Estamos em vias de um momento de viragem, não porque a Covid-19 desapareça, mas porque graças à vacinação pode considerar-se a pandemia controlada", declarou António Costa na noite passada. 

Este "passo" rumo à meta final do plano de desconfinamento - a terceira fase - acontece num momento em que Portugal se aproxima de ter 85% da população vacinada, regista uma trajetória sólida de descida da taxa de incidência de infeções (atualmente em 137,4 casos por 100 mil habitantes) e em que a taxa de transmissão se encontra abaixo de 1, mais precisamente em 0,82.

Pode consultar nestes mapas interativos a evolução da pandemia de coronavírus em Portugal e no Mundo

Acompanhe aqui AO MINUTO os mais recentes desenvolvimentos sobre a Covid-19 em Portugal e no Mundo:

15h30 - Acompanhe aqui a conferência de imprensa do primeiro-ministro e fique a conhecer que restrições vão cair a partir do próximo dia 1 de outubro, assim como outras incidências relacionadas com a Covid-19 no país e no mundo. 

14h30 - O Conselho de Ministros em vias de terminar. António Costa deverá anunciar de seguida que o país vai entrar na terceira fase do plano de desconfinamento no próximo dia 1 de outubro. 

14h02- Portugal registou, nas últimas 24 horas, mais 885 casos de infeção pelo novo coronavírus e cinco mortes relacionadas com a doença. Internamentos continuam a baixar. Estão agora hospitalizadas 412 pessoas (menos 14 do que ontem), das quais 75 em Unidades de Cuidados Intensivos (menos três). Recuperaram da Covid-19, no último dia, 983 doentes, pelo que o número de casos ativos da doença no país continua a descer (32.166, menos 103 do que ontem).

13h29 - Residentes da AML entre os que mais aderiram ao teletrabalho. Quase um em cada quatro residentes na Área Metropolitana de Lisboa (23%) trabalharam a partir de casa em 2020, sendo dos europeus que mais aderiram à medida, em sexto numa escala regional, segundo dados hoje divulgados pelo Eurostat

13h11 - Fazer da pandemia um "braço de ferro eleitoral é um erro". Quem o diz é a coordenadora bloquista, Catarina Martins, que assegura que o BE não terá esse comportamento

"Acho que estar a fazer das questões da pandemia um braço de ferro eleitoral é um absoluto erro e o Bloco de Esquerda não fará isso", afirmou, depois de o líder do PSD, Rui Rio, ter dito na quarta-feira que o Governo "procura influenciar voto" com uma "notícia positiva" antes das eleições.

12h40 - África. O diretor do Centro de Controlo de Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC) criticou hoje a decisão do Reino Unido de não reconhecer vacinas administradas em vários países africanos, porque "cria confusão" e mostra falta de solidariedade.

12h35 -  Pandemia já matou mais de 4,71 milhões de pessoas no mundo

A pandemia de Covid-19 matou, até hoje, pelo menos 4.715.909 pessoas no mundo desde o final de dezembro de 2019, segundo um levantamento realizado pela agência de notícias francesa AFP com base em fontes oficiais.

12h30 - Rússia ultrapassa 21.000 casos diários, valor mais elevado desde agosto. A Rússia contabilizou mais de 21.000 novos casos de Covid-19 nas últimas 24 horas, com 21.438 contágios, o número mais elevado desde 19 de agosto. 

12h24 - Os funcionários das creches, do pré-escolar e a rede nacional de amas começaram hoje a ser testados à Covid-19, numa ação que até 3 de outubro abrangerá 35 mil pessoas em todo o país.

11h30 - O certificado Covid-19 vai deixar de ser obrigatório na restauração  às sextas-feiras ao jantar e aos fins-de-semana a partir do dia 1 de outubro, segundo noticia o Público.  A medida fará parte do alívio previsto para a terceira fase de desconfinamento que o Governo vai aprovar hoje no Conselho de Ministros. O certificado de vacinação ou teste negativo vão continuar a ser necessários nas fronteiras e nos bares e discotecas. 

9h50 - África registou 424 mortes associadas à Covid-19 nas últimas 24 horas, elevando para 207.594 o total de óbitos desde o início da pandemia, e 11.235 novos infetados, de acordo com os dados oficiais mais recentes.

8h50 - Vacinação dos 12 aos 17 retomada no Brasil. O Ministério da Saúde brasileiro recuou e voltou a aprovar a vacinação dos adolescentes dos 12 aos 17 anos, dá conta o G1. A imunização nesta faixa etária foi retomada uma semana depois de o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, criticar campanha antecipada dos estados, frisando que existem "eventos adversos a serem investigados".

7h45 - O que esperar do Conselho de Ministros de hoje?

Na fase três do plano de desconfinamento, que o Governo deverá anunciar hoje, mas com efeitos só a partir de 1 de outubro, deixam de existir limites máximos para o número de pessoas em grupo no interior dos restaurantes, cafés, pastelarias e em esplanadas, bem como são levantados os limites de lotação para estabelecimentos, espetáculos culturais e eventos familiares.

Outra mudança quase certa passará pela reabertura dos bares e discotecas, embora os clientes apenas possam entrar caso apresentem um certificado de vacinação ou um teste Covid-19 com resultado negativo.

7h40- Atualização na Alemanha

A Alemanha diagnosticou, no último dia, 10.696 novos casos de infeção pelo novo coronavírus, elevando para 4171.666 o número total de contágios desde o início da pandemia. De acordo com os dados atualizados esta quinta-feira pelo Instituto Robert Koch, nas últimas 24 horas, morreram vítimas da Covid-19 mais 115 pessoas.

No total, desde que a pandemia começou, morreram 93.238 pessoas devido à doença

7h30 - EUA aprova terceira dose para maiores de 65 anos e grupos de risco

O organismo que regula a comercialização de medicamentos nos Estados Unidos, autorizou uma terceira dose de vacina Pfizer para pessoas com mais de 65 anos e também para idosos em risco de saúde ou especialmente expostos à Covid-19.

7h00 - Bom dia! Iniciamos aqui um novo acompanhamento dos acontecimentos relacionados com a pandemia. Recorde as incidências da véspera aqui.

Leia Também: AO MINUTO: Bolsonaro em isolamento. Brasil reporta mais 876 óbitos

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório