Meteorologia

  • 03 DEZEMBRO 2021
Tempo
11º
MIN 8º MÁX 16º

Edição

117 milhões de alunos continuam sem aulas devido à pandemia

Cerca de 117 milhões de alunos, ou seja, 7,5% da população escolar mundial, permanecem sem aulas devido à pandemia de covid-19, alertou hoje a Unesco, exortando os países a reabrirem as escolas em condições seguras.

117 milhões de alunos continuam sem aulas devido à pandemia
Notícias ao Minuto

12:50 - 17/09/21 por Lusa

Mundo UNESCO

"Sabemos que quanto mais tempo permanecerem encerradas as escolas, mais graves e irreversíveis são as consequências para o bem-estar e a aprendizagem das crianças, em particular os mais vulneráveis e marginalizados", declarou, em comunicado, a subdiretora de Educação da Unesco, Stefania Giannini.

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) assinalou que os estabelecimentos de ensino estão a funcionar totalmente em 117 países, representando 539 milhões de alunos desde a instrução primária ao secundário, envolvendo 35% da população escolar mundial.

No mesmo período de 2020 esta percentagem era de 16%, quando apenas estavam abertas escolas em 94 países.

No ano letivo anterior, o número de países onde as escolas abriram parcialmente passou de 52 para 41, e em cinco países os centros de ensino estiveram totalmente encerrados durante 18 meses, afetando 77 milhões de alunos.

A Unesco defende a reabertura segura de todas as escolas e indica que o encerramento total dos estabelecimentos deverá constituir o último recurso.

As escolas estiveram encerradas 18 semanas em média, em todo o mundo, desde o início da pandemia, um número que aumenta para 34 semanas se forem considerados os encerramentos parciais.

Segundo o organismo, os encerramentos prolongados e recorrentes nos últimos dois anos implicaram um atraso na aprendizagem e fizeram aumentar a taxa de abandono escolar, afetando de forma desproporcionada os mais vulneráveis.

O aumento das medidas de higiene e proteção face ao vírus, e a vacinação, foram essenciais para a reabertura, sublinha a organização.

Em 80 países foi concedida prioridade à imunização de professores, que englobou um total de 42 milhões de pessoas, para além da administração da vacina em muitos países a alunos maiores de 12 anos, uma medida que o organismo considera "crucial".

A Unesco também insiste para que todos os países considerem os professores como um setor prioritário para as campanhas de vacinação.

Leia Também: AO MINUTO: Certificados falsos em site. Surto 'vale' processos na Áustria

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

;
Campo obrigatório