Meteorologia

  • 28 SETEMBRO 2021
Tempo
17º
MIN 16º MÁX 23º

Edição

Ativista do QAnon, que defendia que Covid-19 era fraude, morre da doença

Veronica Wolski estava internada nos cuidados intensivos e, na última semana, grupo de negacionistas tentou que lhe fosse dada alta.

Ativista do QAnon, que defendia que Covid-19 era fraude, morre da doença

Uma negacionista norte-americana, que se tornou conhecida no país por causa da sua associação ao QAnon, morreu na segunda-feira, num hospital de Chicago, com uma pneumonia causada pela Covid-19. Veronica Wolski tinha 64 anos de idade e um historial de hipotireoidismo, explicou, no mesmo dia, um responsável de saúde local, de acordo com o Chicago Tribune.

A mulher ganhou notoriedade, primeiramente, em 2016, por causa do seu apoio incondicional a Bernie Sanders, descrevendo Donald Trump, na altura, como "um idiota".

Porém, acabou por mudar de ideias, tornando-se uma apoiante de Trump e do movimento conspiracionista QAnon. Defendia que a Covid-19 era uma fraude e passou a surgir em manifestações negacionistas.

Wolski estava internada nos cuidados intensivos do Amita Health Resurrection Medical Center e, durante mais de uma semana, os seus apoiantes concentraram-se no local para exigir que Veronica fosse tratada com Ivermectina, um medicamento que é indicado por alguns movimentos como uma cura para a Covid-19, mas que é desaconselhado pelas autoridades de Saúde.

A Ivermectina, sublinhe-se, é comummente usado para tratar animais que sofrem de dirofilariose e que são afetados por parasitas internos e externos.

Na semana passada, o hospital anunciou que nenhum dos seus profissionais usaria o medicamento num caso de Covid-19, seguindo as recomendações do regulador de Saúde.

No fim de semana, os seus apoiantes tentaram que o hospital lhe desse alta, utilizando a figura do tutor legal, uma vez que Veronica estava em coma. "Se não lhe deram alta, serão responsáveis por homicídio", indicou o advogado da mulher, por telefone, ao hospital.

A família de Veronica recusou falar com a comunicação social local.

A QAnon, sublinhe-se, é uma teoria da conspiração da extrema-direita centrada na crença infundada de que Donald Trump está a fazer uma campanha secreta contra os inimigos de um alegado "Estado profundo" ("Deep State") e contra um círculo de tráfico sexual infantil dirigido por pedófilos e canibais satânicos - onde incluem líderes políticos e celebridades.

Leia Também: 'Xamã do QAnon' dá-se como culpado de um crime no ataque ao Capitólio

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório