Meteorologia

  • 28 SETEMBRO 2021
Tempo
17º
MIN 16º MÁX 23º

Edição

EUA decretam novas sanções contra dirigentes da Junta Militar em Myanmar

Os Estados Unidos anunciaram hoje novas sanções contra dirigentes da Junta Militar birmanesa e a várias empresas associadas ao regime pela "repressão à democracia e pela campanha brutal de violência" contra a população.

EUA decretam novas sanções contra dirigentes da Junta Militar em Myanmar
Notícias ao Minuto

18:42 - 02/07/21 por Lusa

Mundo Myanmar

Num comunicado do Departamento do Tesouro norte-americano refere-se que, entre os sancionados figuram Saw Daniel, Banyar Aung Moe e Aye Nu Sein, membros do Conselho Administrativo do Estado (SAC, na sigla em inglês), como se autointitula a Junta Militar, "o órgão criado a 02 de fevereiro para apoiar o derrube ilegal do governo civil eleito democraticamente".

Na lista figuram também quatro ministros -- Chit Naing (Informação), Aung Naing Oo (Investimentos e Relações Económicas com o Estrangeiros), Myint Kyaing (Trabalho, Imigração e População) e Thet Thet Khine (Segurança Social).

Por outro lado, 15 próximos de altos responsáveis da Junta Militar, entre eles a mulher do líder do órgão, Min Aung Hlaing, também são visados pelas sanções.

Washington tinha já imposto uma primeira série de sanções contra o general Hlaing e outros oficiais a 11 de fevereiro, a que se seguiram outras, depois, em abril e em meados de maio. 

As sanções envolvem o congelamento de ativos e a proibição de acesso ao sistema financeiro dos Estados Unidos.

O Departamento do Tesouro norte-americano também anunciou sanções contra empresas de comunicação por satélite e de produção de cobre, "que dão apoio" financeiro à Junta Militar.

A administração de Joe Biden já suspendeu o acordo comercial que mantinha com Myanmar (antiga Birmânia) e sancionado empresas públicas birmanesas que controlam as exportações de madeira e de pérolas.

Desde que o exército tomou o poder, a 01 de fevereiro passado, e depôs o governo eleito de Aung San Suu Kyi, as forças de segurança reprimiram de forma sangrenta o movimento de protesto contra o regime militar. 

Mais de 880 civis foram mortos e quase 6.500 presos, de acordo com uma organização não-governamental local.

Quarta-feira, as autoridades libertaram mais de 2.000 opositores ao golpe que estavam detidos em várias prisões em todo o país, incluindo jornalistas presos por criticar a sangrenta repressão da Junta Militar.

Terça-feira, Aung San Suu Kyi, em prisão domiciliária desde o golpe, compareceu a um tribunal militar liderado pela junta.

A vencedora do Prémio Nobel da Paz em 1991, julgada em particular por sedição, pode ser condenada a mais de dez anos de prisão se for considerada culpada.

Leia Também: Myanmar. Militares estão a deter advogados que defendem presos políticos

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório