Meteorologia

  • 30 JULHO 2021
Tempo
24º
MIN 16º MÁX 27º

Edição

Eslovénia vai ser "moderadora" e abster-se de posições sobre temas LGBT

A Eslovénia será um "moderador" durante a sua presidência do Conselho da UE e, como tal, vai abster-se de tomar posição sobre questões como os direitos LGBTQI na Hungria, afirmou hoje o chefe da diplomacia eslovena.

Eslovénia vai ser "moderadora" e abster-se de posições sobre temas LGBT
Notícias ao Minuto

19:06 - 24/06/21 por Lusa

Mundo UE/Presidência

"Relativamente à declaração que foi assinada, até agora, penso, por cerca de 18 Estados-membros, a Eslovénia, enquanto próxima presidência, representará o Conselho [da UE] de uma forma [em] que não tomará qualquer posição em qualquer tipo de tópico em particular, uma vez que temos plena confiança no trabalho das instituições europeias e nas suas competências", declarou Anze Logar.

O chefe da diplomacia eslovena, que falava em Ljubljana, numa conferência de imprensa conjunta com o ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, respondia a uma pergunta acerca de uma carta sobre os direitos LGBT na Hungria, subscrita por pelo menos 17 Estados-membros da União Europeia (UE).

Portugal, que assegura a presidência da UE até 30 de junho, não assinou a carta por considerar que, enquanto presidência do Conselho da UE, tem um "dever de neutralidade", segundo palavras da secretária de Estado dos Assuntos Europeus, Ana Paula Zacarias.

A Eslovénia, que sucede a Portugal na presidência, a partir de 01 de julho, também não subscreveu.

A missiva foi hoje endereçada à presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, ao presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, e ao primeiro-ministro português, António Costa, atual presidente do Conselho da UE.

Trata-se do mesmo texto, enviado na terça-feira à Comissão Europeia e subscrito por 13 países da UE, instando o executivo comunitário a "utilizar todos os instrumentos à sua disposição para garantir o pleno respeito do direito europeu", perante uma lei húngara considerada "discriminatória para as pessoas LGBT".

A Hungria aprovou a 15 de junho uma lei proibindo "a promoção" da homossexualidade junto de menores de 18 anos, o que desencadeou críticas dos defensores dos direitos humanos, numa altura em que o Governo conservador de Viktor Orbán multiplica as restrições à comunidade LGBT.

O novo diploma húngaro "introduz uma proibição da 'representação e da promoção de uma identidade de género diferente do sexo à nascença, da mudança de sexo e da homossexualidade' junto de pessoas com menos de 18 anos", indicam os países signatários, condenando "uma forma flagrante de discriminação assente na orientação sexual, na identidade e na expressão do género".

A carta é subscrita pelos chefes de governo da Alemanha, Áustria, Bélgica, Chipre, Dinamarca, Estónia, Espanha, Finlândia, França, Grécia, Irlanda, Itália, Letónia, Luxemburgo, Malta, Países Baixos e Suécia.

Leia Também: MNE viaja hoje para a Eslovénia para preparar "transição" da presidência

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório