Meteorologia

  • 17 SETEMBRO 2021
Tempo
18º
MIN 18º MÁX 26º

Edição

Sanções à Bielorrússia não são uma "varinha mágica"

O chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, reconheceu hoje que as sanções impostas à Bielorrússia não são uma "varinha mágica", mas servem para "fazer pressão" e "mudar o comportamento" do regime de Alexander Lukashenko.

Sanções à Bielorrússia não são uma "varinha mágica"
Notícias ao Minuto

17:40 - 21/06/21 por Lusa

Mundo Josep Borrell

"Tomamos este tipo de decisão porque achamos que pode ajudar: (...) não é automático nem certo, mas é uma maneira de pôr pressão e as sanções económicas põem muita pressão", sublinhou Josep Borrell.

O alto representante da União Europeia (UE) para os Negócios Estrangeiros e Política de Segurança falava em conferência de imprensa após o Conselho de Negócios Estrangeiros, que decorreu hoje no Luxemburgo, e onde os chefes das diplomacias europeias concordaram em adotar o quarto pacote de sanções contra a Bielorrússia, que visa 78 indivíduos, incluindo oito ministros.

Além do pacote em questão, Borrell sublinhou que foram também aprovadas opções para impor sanções económicas à Bielorrússia, que ainda não foram adotadas, mas que deverão sê-lo "rapidamente" após o Conselho Europeu dar "orientações" sobre o tema.

"Não implementámos as sanções económicos inicialmente, porque sabemos que estas afetam não apenas as pessoas que queremos visar, mas toda a gente, porque afetam a economia", salientou Borrell.

O chefe da diplomacia frisou também que, assim que as sanções económicas forem aprovadas, "irão influenciar o comportamento" dos responsáveis bielorrussos porque irão "criar danos à economia do país".

"E não excluo um quinto pacote de sanções, porque é a maneira que temos para influenciar o comportamento dos responsáveis pelo que está a acontecer na Bielorrússia. (...) Não é uma varinha mágica, mas é a ferramenta que temos", salientou.

Numa reunião que, da parte da manhã, contou também com a participação da líder da oposição bielorrussa, Svetlana Tikhanovskaya, Borrell referiu que a opositora apelou a que a UE introduza mais sanções ao regime bielorrusso, nomeadamente às empresas estatais, tendo apresentado "uma lista das empresas" que acha que deveriam ser visadas.

"Ouvimos atentamente a sua avaliação da situação atual e os seus apelos para que a UE mantenha uma posição determinada. Como transmitimos a Tikhanovskaya, a UE mantém-se pronta para ajudar uma futura Bielorrússia democrática, com um plano de apoio económico abrangente de três mil milhões de euros" preparado, acrescentou o alto representante.

O Conselho adotou hoje o quarto pacote de sanções da UE contra o regime da Bielorrússia, sancionando 78 indivíduos, incluindo dois ministros, e oito entidades envolvidas em violações de direitos humanos e o desvio forçado de um voo comercial.

As medidas restritivas dirigidas à Bielorrússia passam então a aplicar-se a um total de 166 pessoas e 15 entidades, que estão sujeitos ao congelamento de bens e impedidos de receber fundos de cidadãos ou empresas da UE, ficando ainda os indivíduos sancionados impedidos de viajar para ou pelo território comunitário.

No início do mês, o Conselho já adotara a decisão de fechar o espaço aéreo e aeroportos a aeronaves da Bielorrússia, na sequência do desvio e aterragem forçada do voo da Ryanair entre Atenas e Vilnius, tal como determinaram os chefes de Estado e de Governo da UE numa cimeira celebrada em 24 e 25 de maio, em Bruxelas, logo após o incidente.

Leia Também: Tikhanovskaia pede à UE para acelerar sanções ao regime de Lukashenko

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório