Meteorologia

  • 14 JUNHO 2021
Tempo
21º
MIN 17º MÁX 31º

Edição

Portugal reforça missão da ONU no Mali durante seis meses

Portugal vai reforçar a missão das Nações Unidas no Mali nos próximos seis meses com um contingente de 65 militares e uma aeronave da Força Aérea que pretende "implementar e consolidar um processo de transição para paz" no país.

Portugal reforça missão da ONU no Mali durante seis meses
Notícias ao Minuto

22:45 - 11/05/21 por Lusa

Mundo Mali

Os militares, que chegaram à capital do Mali, Bamaco, na segunda-feira, compõem a Força Nacional Destacada na Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização do Mali (MINUSMA).

O grupo de militares, que realiza agora um isolamento profilático obrigatório de 15 dias, tem por objetivo "implementar e consolidar um processo de transição para a paz naquele país", segundo uma nota publicada hoje no portal do Estado-Maior-General das Forças Armadas (EMGFA) portuguesas.

"Das suas tarefas farão parte assegurar o transporte aéreo, as evacuações aeromédicas e a proteção do Campo Bifrost", acrescenta a nota, que especifica o destacamento, também, de uma aeronave C-295M.

Portugal tem contribuído para missões no Mali desde 2014, tendo destacado várias forças nacionais, assim como aeronaves C-130H e C-295M, assim como respetiva tripulação e pessoal de apoio.

De acordo com os dados do EMGFA, "até ao momento foram efetuadas cerca de 1225 horas de voo, transportados mais de 12590 passageiros e 910 toneladas de carga em apoio às mais diversas missões militares e civis de estabilização do Mali".

De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 4.000 pessoas foram mortas em ataques terroristas em 2019 no Mali, Burkina Faso e Níger, tendo o número de pessoas deslocadas aumentado 10 vezes, ficando próximo de um milhão.

Independente desde 1960, o Mali viveu, em 18 de agosto do ano passado, o quarto golpe militar na sua história, depois dos episódios ocorridos em 1968, 1991 e em 2012.

A instabilidade que afeta o Mali começou com o golpe de Estado em 2012, quando vários grupos rebeldes e organizações fundamentalistas tomarem o poder do norte do país durante 10 meses.

Leia Também: ONU revê em alta crescimento económico global para 5,4% em 2021

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório