Meteorologia

  • 11 ABRIL 2021
Tempo
20º
MIN 10º MÁX 20º

Edição

Senegal anuncia investigação independente a protestos violentos de março

O Governo senegalês anunciou hoje a criação de uma comissão de inquérito "independente" para investigar a agitação civil ocorrida no início de março, a mais grave no país conhecido pela sua estabilidade há anos.

Senegal anuncia investigação independente a protestos violentos de março
Notícias ao Minuto

17:05 - 08/04/21 por Lusa

Mundo Senegal

uma questão de restabelecer os factos, a nossa parte da verdade", disse o ministro das Forças Armadas, Sidiki Kaba.

O Governo foi acusado pela oposição de ser responsável pela morte de pelo menos 13 pessoas durante a repressão dos protestos, enquanto organizações como a Amnistia Internacional (AI) e a Human Rights Watch (HRW) denunciaram o uso excessivo das forças de segurança, o uso de munições reais contra civis e a presença de indivíduos não identificados nas manifestações, alegadamente a mando do Governo.

O ministro contestou estas versões que sugerem "que toda a responsabilidade pelos acontecimentos, os mortos, os feridos e os saques são obra do Governo do Senegal".

Sidiki Kaba não excluiu a possibilidade de agentes policiais e das forças de segurança terem violado a lei e assegurou que não haverá "impunidade" se os factos forem provados.

De acordo com o ministro, o Presidente Macky Sall deu instruções para não disparar contra os manifestantes e a polícia "mostrou contenção, compostura e profissionalismo".

"Se não fosse por isso, teríamos tido um banho de sangue", disse.

"O Senegal não é um inferno dos direitos humanos", acrescentou, citando a situação excecional causada pela pandemia de covid-19 e a crise económica, em que uma acusação de violação contra o deputado da oposição Ousmane Sonko teve o efeito de um "rastilho" e desencadeou os protestos violentos.

Principal opositor do Presidente Sall, Ousmane Sonko considerou a acusação uma "conspiração" para o impedir de se candidatar às eleições presidenciais de 2024.

Uma comissão "independente e imparcial" será responsável pela "restauração da verdade", disse o ministro.

"Estará aberta à oposição e à sociedade civil", adiantou, sem especificar a sua composição ou o prazo para a apresentação de conclusões.

De acordo com o ministro, a comissão irá elaborar um balanço de vítimas da violência e determinar as responsabilidades e a presença ou não de elementos não identificados nas fileiras das forças de segurança, bem como de alegadas "forças ocultas" infiltradas nas manifestações.

O ministro do Interior, Antoine Félix Diome, tinha mencionado em 05 de março o envolvimento de tais "forças ocultas" nos protestos, sem que ficasse claro do que estava a falar.

Os seus comentários deram recentemente origem a especulações sobre uma possível referência aos rebeldes de Casamansa, uma região do sul do Senegal, assolada pela guerrilha pró-independência.

Leia Também: Cabo Verde e Senegal reforçam cooperação nos transportes

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório