Meteorologia

  • 17 MAIO 2021
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 25º

Edição

Pandemia agudizou discriminação da minoria cigana na Bulgária

A pandemia de covid-19 e as restrições sociais e comerciais impostas para combatê-la agravaram a discriminação contra a minoria cigana na Bulgária, cerca de 10% da população do país balcânico, denuncia um relatório da Amnistia Internacional (AI).

Pandemia agudizou discriminação da minoria cigana na Bulgária
Notícias ao Minuto

13:55 - 08/04/21 por Lusa

Mundo Amnistia

No primeiro confinamento em março e abril de 2020, a Bulgária impôs uma quarentena generalizada a diversas comunidades ciganas e restringiu a liberdade de circulação da sua população, recorda o documento emitido esta semana, pouco antes do Dia Internacional do Povo Cigano que se celebra hoje.

"A polícia e a guarda nacional impuseram praticamente uma quarentena obrigatória aos habitantes, impedindo a saída do bairro de todas as pessoas. Assim, durante dias não pudemos ir trabalhar nem comprar comida", recordou à agência noticiosa Efe Fari Mustan, um habitante de um bairro cigano na periferia de Sófia.

As restrições foram motivadas, assegurou, pelo facto de diversos 'media' locais terem insinuado a existência de surtos da doença covid-19 nos bairros ciganos por não estarem a ser respeitadas nesses locais as medidas contra a pandemia.

As autoridades chegaram a utilizar 'drones' [aparelhos aéreos não tripulados] com sensores térmicos para medir a temperatura dos habitantes de bairros ciganos ou aviões para desinfetar essas zonas a partir do ar, assinala no seu relatório a organização não-governamental (ONG) de defesa dos direitos humanos.

A AI acrescenta que, a nível político, se assistiu na Bulgária no decurso da pandemia a uma crescente agressividade na retórica contra os ciganos.

O texto exemplifica esta prática ao indicar que o partido ultranacionalista VMRO apenas descreve a minoria cigana como um grupo suscetível de ameaçar a população em geral.

Para mais, vários ministros do Governo de centro-direita ameaçaram endurecer as medidas anti-covid nos aglomerados ciganos, sugerindo que esta minoria está a ignorar deliberadamente as regras de distanciamento físico.

Teodora Krumova, diretora de programa da Amalipe, uma ONG que fomenta o diálogo e a tolerância interétnica, também denunciou hoje que a comunidade cigana da Bulgária continua a ser vítima de estereótipos, sobretudo pela cor da pele, dominantes entre a maioria social da Bulgária, uma população de origem eslava e religião ortodoxa.

"Devido a estes estereótipos, muitos jovens ciganos com boa educação e bom estatuto social optam por esconder a sua identidade", assegurou a ativista em declarações à rádio pública e no âmbito do Dia Internacional do Povo Cigano.

Leia Também: Morte de Ihor Homeniuk assinalada em relatório da Amnistia Internacional

Notícias ao Minuto nomeado para os Prémios Marketeer

O Notícias ao Minuto é um dos nomeados da edição de 2021 dos Prémios Marketeer, na categoria de Digital Media. As votações decorrem até ao próximo dia 31 de maio.

Para nos ajudar a vencer, basta aceder ao site da iniciativa organizada pela revista Marketeer, clicando aqui, e proceder ao preenchimento do formulário, selecionando Notícias ao Minuto na categoria de Digital Media e formalizando depois a votação. Obrigada pela sua preferência!

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório