Meteorologia

  • 23 JUNHO 2021
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 27º

Edição

Turquia convoca embaixador da China após tweets sobre uigures

A Turquia convocou hoje o embaixador da China em Ancara após um tweet da embaixada dirigido a dois responsáveis turcos que criticaram a perseguição da minoria muçulmana dos uigures por Pequim.

Turquia convoca embaixador da China após tweets sobre uigures
Notícias ao Minuto

19:53 - 06/04/21 por Lusa

Mundo Turquia

O Ministério dos Negócios Estrangeiros turco anunciou a convocação do diplomata sem mais detalhes.

Esta iniciativa diplomática surgiu após a embaixada chinesa se ter insurgido no Twitter contra Meral Aksener, a chefe da formação da oposição Bom Partido (direita) e Mansur Yavas, presidente do município de Ancara, por terem assinalado na mesma rede social as sangrentas sublevações dos uigures em abril de 1990 no distrito de Baren, na China, qualificando-as de "massacre".

"A China opõe-se com determinação e condena vigorosamente qualquer sugestão que questione a sua soberania e a sua integridade territorial. A China reserva-se no direito de fornecer a resposta adequada", escreveu a embaixada no seu 'tweet' e ao mencionar Aksener e Yavas.

"Não vamos esquecer os nossos irmãos em cativeiro e não permaneceremos silenciosos face à perseguição que sofrem. O Turquistão Oriental (o nome fornecido pelos uigures à região de Xinjiang) será certamente livre um dia", afirmou Aksener no Twitter.

"A região autónoma uigure de Xinjiang é inseparável do território da China", retorquiu a embaixada no Twitter.

Originários da região de Xinjiang, noroeste da China, os uigures são uma minoria muçulmana e turcófona.

Diversas organizações não-governamentais e países acusam a China de perseguir os uigures, em particular em campos de internamento onde os membros desta minoria são submetidos, segundo testemunhas de ex-detidos, a diversas sevícias.

Pequim rejeita estas acusações e apresenta estas estruturas como "centros de formação profissional".

Segundo as estimativas, cerca de 50.000 uigures que fugiram as perseguições encontraram refúgio na Turquia, um país que durante muito tempo se manteve como um dos principais defensores da sua causa face à China.

Segundo diversos observadores, e com o objetivo de preservar as suas relações económicas com Pequim e dependente de uma vacina chinesa contra o coronavírus, a Turquia reduziu recentemente o tom das suas críticas.

Leia Também: UE "estende a mão" à Turquia mas exige respeito por direitos humanos

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório