Meteorologia

  • 07 DEZEMBRO 2021
Tempo
16º
MIN 13º MÁX 17º

Edição

Etiópia, Egito e Sudão retomaram negociações sobre barragem do Nilo Azul

Etiópia, Egito e Sudão retomaram hoje, em Kinshasa, República Democrática do Congo, as negociações sobre a barragem no Nilo Azul, uma central hidroelétrica considerada vital por Adis Abeba, mas vista como uma ameaça pelo Cairo e Cartum.

Etiópia, Egito e Sudão retomaram negociações sobre barragem do Nilo Azul
Notícias ao Minuto

21:50 - 04/04/21 por Lusa

Mundo Nilo

"Estas negociações representam a última oportunidade que os três países devem aproveitar para chegar a um acordo", disse o ministro dos Negócios Estrangeiros egípcio, Sameh Shoukry, citado pelos meios de comunicação social egípcios.

O acordo deverá permitir o avanço da segunda fase de enchimento da Grande Barragem Etíope do Renascimento (GERD) nos próximos meses e antes da próxima estação das chuvas.

"A reunião em Kinshasa visa desencadear uma nova dinâmica", disse o anfitrião da reunião, o Presidente da República Democrática do Congo, Felix Tshisekedi, que também detém a presidência rotativa da União Africana (UA) desde fevereiro.

"Convido-vos a todos a um novo começo, a abrir uma ou mais janelas de esperança, a aproveitar todas as oportunidades, a reacender o fogo da esperança", suplicou, saudando a vontade dos participantes em "procurar juntos soluções africanas para os problemas africanos".

O embaixador dos Estados Unidos, Mike Hammer, também esteve presente na abertura da reunião, que deverá terminar na segunda-feira.

A GERD tem sido uma fonte de tensão entre os três países desde que foi lançada a primeira pedra para a sua construção em abril de 2011.

A barragem está a ser construída no noroeste da Etiópia, perto da fronteira com o Sudão, no Nilo Azul, um braço do rio que se junta ao Nilo Branco mais a norte, em Cartum, antes de continuar o seu curso para o Egito.

A GERD é apresentada como a maior barragem hidroelétrica em África com uma capacidade de quase 6.500 megawatts.

Adis Abeba anunciou em outubro que a primeira fase de enchimento foi concluída em agosto de 2020

A Etiópia diz que a energia hidroelétrica gerada pela barragem será vital para satisfazer as necessidades energéticas dos seus 110 milhões de habitantes.

O Egito, que depende do Nilo para cerca de 97% da irrigação e água potável, vê a barragem etíope como uma ameaça ao seu abastecimento de água.

O Sudão receia que as suas próprias barragens possam ser danificadas se a Etiópia prosseguir com o enchimento total do GERD antes de se chegar a um acordo.

O Egito "tem vindo a negociar nos últimos dez anos com uma verdadeira vontade política de chegar a um acordo", acrescentou o ministro dos Negócios Estrangeiros egípcio.

O acordo deve assegurar que a Etiópia possa cumprir os seus objetivos de desenvolvimento, preservando simultaneamente os "direitos e interesses" do Egito e do Sudão.

"Se todas as partes envolvidas tiverem vontade política e boas intenções, então podemos alcançar o acordo desejado que abre caminho para a cooperação" na região, concluiu Shoukry.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

;
Campo obrigatório