Meteorologia

  • 18 SETEMBRO 2021
Tempo
17º
MIN 17º MÁX 24º

Edição

Paris, Berlim e Cairo saúdam aprovação de governo de transição na Líbia

Os chefes da diplomacia de França, Alemanha, Egito e da Jordânia saudaram hoje a confiança parlamentar obtida na quarta-feira pelo governo de transição da Líbia, rodeado de grandes expectativas perante o caos político vivido naquele país.

Paris, Berlim e Cairo saúdam aprovação de governo de transição na Líbia
Notícias ao Minuto

14:28 - 11/03/21 por Lusa

Mundo Líbia

"Uma excelente notícia", afirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, Heiko Maas, enquanto o seu homólogo francês, Jean-Yves Le Drian, referiu que a aprovação parlamentar é um "grande avanço" para uma possível saída do caos político e securitário registado no território líbio.

Por sua vez, o ministro dos Negócios Estrangeiros egípcio, Sameh Choukri, declarou que a decisão do parlamento é "um passo em frente para a estabilidade, para a proteção da segurança e da soberania da Líbia".

Palavras corroboradas pelo chefe da diplomacia jordana, Ayman Safadi, que saudou o que classificou de um "bom passo em direção a uma solução política".

"O próximo passo imediato deve ser o das tropas estrangeiras e milícias, que estão oficialmente e não oficialmente (no país), deixarem o território líbio. Este é o próximo passo que deve acontecer e depois as eleições previstas para 24 de dezembro", acrescentou Heiko Maas.

O governo de transição da Líbia, resultante de um processo patrocinado pela ONU e que deve contribuir para retirar o país do caos e organizar eleições no final de dezembro, obteve na quarta-feira a confiança do parlamento.

Após dois dias de intensos debates, o parlamento eleito aprovou a equipa de Abdel Hamid Dbeibah por 121 votos entre os 132 deputados presentes.

"Agradeço-vos pela confiança", reagiu o milionário de 61 anos, que foi designado primeiro-ministro em 05 de fevereiro por 75 responsáveis líbios de todas as partes reunidos em Genebra (Suíça) sob a égide da ONU, juntamente com um Conselho Presidencial de três membros.

Os deputados líbios estiveram reunidos desde segunda-feira na cidade de Sirte, a meio caminho entre as regiões rivais do leste e do oeste, e debateram longamente a composição do governo de Dbeibah, a repartição geográfica dos postos e o calendário do executivo.

A ONU já tinha saudado, na segunda-feira, uma "sessão histórica" e uma "etapa crucial" para a unificação do país.

Depois da queda do regime de Muammar Kadhafi em 2011, a Líbia mergulhou no caos, com divisões e lutas de influência no contexto de ingerências estrangeiras.

O fim dos combates no verão e o lançamento de um processo político sob a égide da ONU reavivou a esperança de um relançamento da economia do país do norte de África rico em petróleo.

O primeiro-ministro deve também responder às expectativas dos líbios, cujo quotidiano é marcado pela escassez de dinheiro, gasolina e eletricidade e por uma inflação galopante.

As infraestruturas estão destruídas e os serviços falham.

Os desafios são enormes após 42 anos de ditadura e uma década de violência desde a intervenção internacional, com cobertura da NATO, desencadeada em março de 2011 e concluída em outubro do mesmo ano com a morte do "guia" Kadhafi, perseguido até ao seu reduto de Sirte.

Ao longo dos anos, a interferência de potências estrangeiras no conflito líbio, nomeadamente de países como Rússia, França ou Turquia, tem sido mencionada.

A Turquia, aliada do Governo de Acordo Nacional (reconhecido pela ONU e sediado em Tripoli) ao contrário por exemplo da Rússia (apoiante do homem forte do leste líbio, o marechal Khalifa Haftar), foi o único país que admitiu, até à data, que destacou tropas para o oeste do território líbio, incluindo mais de 10.000 mercenários sírios que foram armados e transportados por Ancara.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório