Meteorologia

  • 24 SETEMBRO 2021
Tempo
21º
MIN 17º MÁX 23º

Edição

Governador de Nova Iorque nega ter ocultado mortes nos lares

O gabinete do Governador de Nova Iorque, Andrew Cuomo, voltou hoje a negar ter "alterado" os números de idosos mortos na geriatria na sequência da pandemia de covid-19.

Governador de Nova Iorque nega ter ocultado mortes nos lares

A rejeição voltou a ser utilizada depois de o jornal diário The New York Tomes ter noticiado que "alguns dos mais altos funcionários" do governador nova-iorquino reescreveram um relatório sobre a evolução da pandemia até junho de 2020 para ocultar a morte de 9.000 pessoas em lares de idosos.

Num comunicado, Beth Garveyu, conselheira de Cuomo, indicou que asreferidas mortes "não foram ocultadas nem alteradas".

"Apenas foram registadas no local onde ocorreram, seja no hospital ou na residência onde foram internadas", sublinhou.

A administração de Cuomo está a ser investigada pelo Ministério Público, sendo alvo de inúmeras críticas políticas, justamente pela sua gestão da situação nos lares de terceira idade durante a pandemia.

Segundo Garvey, em vários momentos nos primeiros meses da pandemia, foi reconhecido que as mortes fora das instalações para a terceira idade não foram incluídas no subconjunto das mortes em lares de idosos devido a preocupações ligadas ao potencial de contagem dupla.

Garvey, que cita os conselheiros Jim Malatras, Melissa DeRosa e Linda Lacewell como responsáveis pela preparação dos documentos, insiste que nenhum dos três "mudou qualquer número de mortes ou 'alterou' os dados dos mortos".

O The New York Times noticiou quinta-feira que existem documentos que mostram que Cuomo estava a divulgar publicamente dados de mortes em geriatria cerca de 50% abaixo dos números reais.

A crise nas geriatrias levou dirigentes do Partido Democrata (DP), em que milita Cuomo, a limitar os poderes executivos extraordinários nas mãos do Governador devido à situação excecional que se vive nos Estados Unidos como consequência da pandemia de covid-19.

Desde o início da pandemia, os Estados Unidos acumularam 520.080 óbitos e 28.820.172 casos da doença, sendo o país com mais mortes devido à covid-19 e também com mais casos de infeção.

A Califórnia é agora o estado com mais óbitos provocados pela doença (53.214), seguido de Nova Iorque (48.049), Texas (44.755), Florida (31.387), Pensilvânia (24.208), Nova Jersey (23.491) e Illinois (22.902).

Em número de casos confirmados, a Califórnia é também o mais afetado, com 3.583.470 infeções desde o início da pandemia, seguindo-se o Texas (2.682.004), Florida (1.930.232), Nova Iorque (1.670.716) e Illinois (1.193.177).

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.570.291 mortos no mundo, resultantes de mais de 115,5 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Leia Também: Assessores de Cuomo reescreveram relatório para esconder mortes nos lares

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório