Meteorologia

  • 20 ABRIL 2021
Tempo
17º
MIN 14º MÁX 20º

Edição

Serviço de segurança alemão põe partido de extrema-direita sob vigilância

O serviço de informações de segurança da Alemanha decidiu colocar o partido de extrema-direita Alternativa para a Alemanha (AfD) sob vigilância policial, alegando que provocou um aumento dos ataques à ordem democrática, noticiou hoje a imprensa local.

Serviço de segurança alemão põe partido de extrema-direita sob vigilância
Notícias ao Minuto

12:45 - 03/03/21 por Lusa

Mundo AFD

O presidente do Gabinete Federal para a Proteção da Constituição, Thomas Haldenwang, informou os ramos regionais do serviço de informações de segurança de que o partido foi classificado como "caso suspeito", asseguram a agência de notícias DPA e o jornal Der Spiegel.

A decisão, tomada no final da semana passada, é muito sensível já que a Alemanha está a sete meses da realização de eleições legislativas.

O AfD, criado em 2013, passou a ter assento no parlamento em 2017, representando a primeira força de oposição aos conservadores, da chanceler Angela Merkel, e aos social-democratas, no poder.

O partido, que aumentou o seu número de seguidores com posições contrárias à política de migração da chanceler, está atualmente dividido por guerras internas e a perder força nas sondagens.

O Gabinete Federal para a Proteção da Constituição não tornou pública a sua decisão devido a processos judiciais em curso, acrescentam os meios de comunicação alemães, referindo que o AfD apresentou uma reclamação.

Também por isso, o organismo decidiu que, nesta fase, não irá vigiar os deputados ou candidatos do partido às eleições regionais ou legislativas marcadas para este ano, adiantou a imprensa.

A posição do Gabinete Federal baseia-se num relatório de informações de segurança com 1.000 páginas que cataloga "as alegadas violações do partido contra a ordem básica livre e democrática".

Os investigadores reuniram várias centenas de discursos ou declarações de membros do partido de todos os níveis.

Um elemento-chave terá sido a influência da franja mais radical do AfD, chamada "A Asa" e próxima dos neonazis.

Colocada sob vigilância no ano passado, este movimento radical foi oficialmente dissolvido, mas, segundo o relatório, os seus representantes ainda estão no partido.

O relatório também aponta para ligações entre o AfD e algumas organizações radicais, como o movimento do ideólogo da Nova Direita Götz Kubitschek.

Os dirigentes menos radicais do partido têm tentado, nos últimos meses, passar uma imagem mais moderada.

Num congresso realizado em novembro, o copresidente Jörg Meuthen, considerado moderado, criticou, de forma contundente, a proximidade dos membros do partido aos opositores das restrições impostas no âmbito do combate à pandemia de covid-19 e a linguagem cada vez mais radical usada para criticar o Governo.

Meuthen referia-se ao presidente honorário do AfD, Alexander Gauland, que acusou o executivo de usar "propaganda de guerra" para impor "uma ditadura corona [relativa ao coronavírus]".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório