Meteorologia

  • 03 DEZEMBRO 2021
Tempo
13º
MIN 8º MÁX 16º

Edição

Khashoggi: Arábia rejeita "totalmente" relatório que culpa príncipe

A Arábia Saudita rejeitou "totalmente" o relatório dos serviços de inteligência dos Estados Unidos, que imputa ao herdeiro Mohammed bin Salman de autorizar o homicídio do jornalista e crítico do regime Jamal Khashoggi, em 2018.

Khashoggi: Arábia rejeita "totalmente" relatório que culpa príncipe

"O Governo da Arábia Saudita rejeita totalmente as falsas e nefastas conclusões contidas no relatório sobre a liderança do reino e não pode aceitá-las em nenhum caso", referiram as autoridades sauditas, em comunicado citado pela France-Presse (AFP).

A nota acrescenta que o relatório produzido por Washington propaga "desinformação".

"É verdadeiramente lamentável que este relatório, com estas conclusões injustificadas e falsas, seja divulgado quando o reino denunciou claramente este crime hediondo e os seus líderes tomaram as medidas necessárias para garantir que tal tragédia nunca volte a acontecer", explicita ainda o comunicado do Governo saudita.

Os serviços secretos norte-americanos acusaram hoje o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohamed Bin Salman, de ter "validado" o assassínio do jornalista também saudita Jamal Khashoggi, em 2018.

"Chegamos à conclusão de que o príncipe herdeiro da Arábia Saudita validou uma operação em Istambul para capturar ou matar o jornalista saudita Jamal Khashoggi", escreve a direção da Agência Central de Informação (CIA), num pequeno documento de quatro páginas hoje desclassificado.

"O príncipe herdeiro considerou Khashoggi como uma ameaça para o Reino eapoiou totalmente o uso de medidas violentas, se necessárias, para o silenciar", acrescenta-se no documento.

A desclassificação do documento pode aumentar a pressão sobre a administração de Joe Biden para responsabilizar o reino por um assassínio que provocou grande indignação nos Estados Unidos e internacionalmente.

A conclusão central do relatório era amplamente esperada, visto que vários funcionários da CIA tinham chegado a esse entendimento logo após o brutal assassínio de Khashoggi, a 02 de outubro de 2018, um crítico da consolidação autoritária do poder do príncipe herdeiro Mohammed bin Salman.

Ainda assim, como a descoberta não fora oficialmente divulgada até agora, a atribuição pública de responsabilidade representou uma repreensão extraordinária ao ambicioso príncipe herdeiro, de 35 anos.

Segundo a agência noticiosa Associated Press (AP), a divulgação pública do documento vai, "provavelmente, dar o tom" para o relacionamento da nova administração norte-americana com um país que Biden criticou, mas que a Casa Branca considera que, nalguns contextos", constitui "um parceiro estratégico".

A Casa Branca anunciou já que irá tomar "medidas", mas sem adiantar quais.

Quinta-feira, a imprensa norte-americana deu eco ao relatório, então ainda não divulgado oficialmente, salientando que o documento tem por base sobretudo informações recolhidas pela CIA.

"A divulgação pública (do relatório) marcará um novo capítulo nas relações dos Estados Unidos com a Arábia Saudita e uma diferença clara entre a política do Presidente Joe Biden e a do ex-Presidente Donald Trump", disse a emissora NBC, indicando ter tido acesso ao texto em 2018.

Na quarta-feira, a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, disse aos jornalistas que o "relatório desclassificado" seria divulgado em breve pela diretora nacional de informação, Avril Haines.

Na ocasião, a porta-voz indicou que o Presidente norte-americano devia falar em breve ao telefone com o rei Salman da Arábia Saudita, pai de Mohammed, conhecido por MBS e interlocutor privilegiado da diplomacia de Trump.

O telefonema acabaria por acontecerquinta-feira, desconhecendo-se o teor da conversa.

No entanto, Jen Psaki confirmou um dia antes a intenção de Biden em "recalibrar" a relação com Riade, de uma forma "diferente" da anterior administração norte-americana, algumas vezes acusada de ter fechado os olhos à questão dos direitos humanos em relação ao seu aliado próximo.

"Isto significa que não ficará em silêncio, dirá alto e bom som quando estiver preocupado com as violações dos direitos humanos e com a falta de liberdade de imprensa e de expressão", adiantou.

A divulgação do relatório sobre Khashoggi pode ser o primeiro teste da "recalibragem", segundo a agência France-Presse.

O saudita Jamal Kashoggi, 59 anos, residente nos Estados Unidos e cronista do jornal The Washington Post, foi assassinado no consulado do seu país em Istambul (Turquia) por agentes sauditas.

O Senado norte-americano, que teve acesso às conclusões dos serviços de informações, considerou na altura que o príncipe herdeiro era "responsável" pelo assassínio.

Riade inicialmente negou qualquer responsabilidade, mas mais tarde disse que o jornalista foi morto acidentalmente por agentes que tentavam extraditá-lo.

A versão oficial da Arábia Saudita é que esses agentes, ligados a Mohammed bin Salman, agiram por conta própria e que o príncipe não esteve envolvido.

Oito pessoas foram condenadas na Arábia Saudita pela morte de Khashoggi, cinco das quais à pena capital. Mais tarde estas sentenças foram comutadas para 20 anos de prisão.

Leia Também: Khashoggi: Estados Unidos anunciam restrição de vistos a 76 sauditas

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

;
Campo obrigatório