Meteorologia

  • 29 NOVEMBRO 2021
Tempo
14º
MIN 10º MÁX 16º

Edição

Khashoggi: Estados Unidos anunciam restrição de vistos a 76 sauditas

Os Estados Unidos anunciaram hoje restrição à atribuição de vistos a 76 cidadãos da Arábia Saudita acusados de "ameaçar dissidentes no estrangeiro", nomeadamente o jornalista saudita Jamal Khashoggi, assassinado em outubro de 2018 na Turquia.

Khashoggi: Estados Unidos anunciam restrição de vistos a 76 sauditas

Segundo o secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, as sanções inscrevem-se no quadro de uma nova regra, batizada pelo Departamento de Estado como a "Lei Khashoggi", que visa proibir a entrada nos Estados Unidos a qualquer pessoa acusada de atacar, em nome das autoridades do seu país, dissidentes ou jornalistas no estrangeiro.

As medidas foram anunciadas na sequência da publicação do relatório da inteligência dos EUA, que acusa o príncipe saudita Mohammed bin Salman de ter "validado" o assassínio de Khashoggi.

A identidade e as funções de todos os sauditas visados pela "primeira série de medidas" não foram reveladas, mas sabe-se que um antigo alto funcionário e uma unidade especial próxima do príncipe herdeiro são alvo de sanções económicas.

Trata-se de uma unidade de intervenção especial e do antigo "número dois" dos serviços secretos sauditas, Ahmed al-Assiri, "próximos" de Mohamed bin Salman, pelo papel desempenhado no assassínio de Khashoggi.

O general al-Assiri, um militar influente, foi indiciado, mas absolvido pela justiça saudita

A justiça turca, por seu lado, acusa-o de ser um dos comanditários do assassínio de Khashoggi.

"Jamal Khashoggi pagou com a vida por expressar as suas opiniões", afirmou Blinken, explicando que pretende "punir" os Estados que ameacem ou ataquem jornalistas ou alegados opositores fora das suas fronteiras "apenas porque exercem as suas liberdades fundamentais". 

"Dissemos muito claramente que as ameaças e ataques extraterritoriais da Arábia Saudita contra ativistas, dissidentes e jornalistas devem acabar. Não serão tolerados pelos Estados Unidos", avisou Blinken.

Kashoggi, 59 anos, residente nos Estados Unidos e cronista do jornal The Washington Post, foi assassinado no consulado do seu país em Istambul (Turquia) por agentes sauditas.

O Senado norte-americano, que teve acesso às conclusões dos serviços de informações, considerou na altura que o príncipe herdeiro era "responsável" pelo assassínio.

Riade inicialmente negou qualquer responsabilidade, mas mais tarde disse que o jornalista foi morto acidentalmente por agentes que tentavam extraditá-lo.

A versão oficial da Arábia Saudita é que esses agentes, ligados a Mohammed bin Salman, agiram por conta própria e que o príncipe não esteve envolvido.

Oito pessoas foram condenadas na Arábia Saudita pela morte de Khashoggi, cinco das quais à pena capital. Mais tarde estas sentenças foram comutadas para 20 anos de prisão.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório