Meteorologia

  • 27 FEVEREIRO 2021
Tempo
15º
MIN 12º MÁX 19º

Edição

Hong Kong: Deterioração de situação política limita "espaço democrático"

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, anunciou hoje que os chefes da diplomacia europeia consideram que a "situação política e institucional" em Hong Kong se tem "deteriorado", limitando o "espaço democrático" na região.

Hong Kong: Deterioração de situação política limita "espaço democrático"

"<span class="nanospell-typo">Atualizámos a nossa avaliação sobre a situação em Hong Kong e essa avaliação é simples: do nosso ponto de vista, a situação política e institucional em Hong Kong vem-se deteriorando, pondo em risco o cumprimento do princípio 'um país, dois sistemas' e limitando o espaço democrático em Hong Kong", sublinhou o chefe da diplomacia portuguesa em conferência de imprensa após a reunião dos ministros de Negócios Estrangeiros da União Europeia (UE).

Santos Silva sublinhou assim que a UE "tem de tornar clara" esta avaliação na relação com a China, mas também "apoiar todos aqueles que nas instituições de Hong Kong lutam hoje pela preservação do espaço democrático e pela preservação do sistema 'um país, dois sistemas'".

O ministro dos Negócios Estrangeiros clarificou ainda a posição da UE relativamente ao regime chinês, qualificando-a de "relação multidimensional" e sublinhando que essa relação passa por quatro vertentes que convivem "ao mesmo tempo".

Em áreas como a da "ação climática" e a da "transição energética", Pequim é visto como um "parceiro indispensável" pela UE por não ser "possível" cumprir os "objetivos do acordo de Paris e proceder a uma descarbonização mundial sem a cooperação da China".

No entanto, noutras áreas de cooperação, como nas "questões de saúde global", na "luta contra o terrorismo", ou de "desenvolvimento de infraestruturas físicas e de conectividade", Santos Silva considerou que Pequim é um "parceiro seletivo".

Já nas "áreas e regiões nas quais a influência europeia compete com a influência chinesa", quer do "ponto de vista económico", como do ponto de "vista político", o chefe da diplomacia portuguesa sublinhou que a UE vê a China como "um competidor".

Finalmente, nas "questões institucionais", o bloco vê ainda a China como "rival sistémico" porque "manifestamente" a conceção do "Estado de Direito, das liberdades individuais, dos direitos humanos, das instituições políticas, do papel dos 'media'", não só é "muito diferente", mas também "contraditória", entre os países da UE e a China.

"Portanto, é esta complexidade que nos orienta na nossa relação com a China e que faz com que nós, ao mesmo tempo, possamos negociar acordos com a China sobre a proteção das indicações geográficas de origem -- para dar o exemplo de um acordo concluído -- ou que estejamos a negociar com a China um acordo sobre a proteção recíproca de investimentos e, ao mesmo tempo que fazemos isso, criticamos a China pelas violações grosseiríssimas de direitos humanos que decorrem na província de Xinjiang, pelo que nos parece ser uma perseguição a uma etnia, os Uigures, ou façamos críticas ao que nos parece ser a deterioração da situação política e institucional em Hong Kong", elucidou.

Augusto Santos Silva anunciou ainda que os chefes de diplomacia europeia abordaram a questão chinesa com o novo secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken -- que participou na reunião por videoconferência -- tendo Santos Silva destacado a "mudança na abordagem da administração norte-americana", que vai "num sentido de maior convergência".

"O secretário de Estado disse-nos que os Estados Unidos não procuram nenhum conflito com a China, mas os Estados Unidos não estão disponíveis para abrandar a sua pressão sobre a China no que diz respeito ao cumprimento dos direitos humanos, no que diz respeito à liberdade de navegação no mar do Sul da China, e no que diz respeito a outras dimensões", divulgou.

O chefe da diplomacia europeia revelou ainda que o facto de Antony Blinken não ter falado "apenas no Partido Comunista Chinês mas na China como um país", tornou o "debate mais simples e a convergência mais evidente".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório