Meteorologia

  • 22 SETEMBRO 2021
Tempo
20º
MIN 18º MÁX 28º

Edição

Myanmar: Morre manifestante baleada pela polícia na semana passada

Uma manifestante baleada na cabeça durante protestos contra o golpe de Estado em Myanmar (antiga Birmânia), na semana passada, morreu hoje num hospital em Naypyidaw, disse fonte hospitalar.

Myanmar: Morre manifestante baleada pela polícia na semana passada
Notícias ao Minuto

07:07 - 19/02/21 por Lusa

Mundo Myamnar

A jovem, de 20 anos, que se encontrava em estado crítico num hospital de Naypyidaw, capital de Myanmar, foi hoje transladada para o instituto de medicina legal da cidade, noticiou a agência France-Presse (AFP).

"Confirmamos a morte às 11:00 esta manhã", disse um médico, que pediu o anonimato.

"Vamos ter [a causa da morte] registada e vamos enviar uma cópia às autoridades", acrescentou à AFP.

O antigo porta-voz do Exército e agora ministro-adjunto da informação, Zaw Min Tun, tinha confirmado esta semana que a jovem foi vítima de tiros, assegurando que as autoridades estão a investigar o incidente.

De acordo com vídeos analisados por organizações humanitárias, a jovem caiu por terra depois de serem ouvidos disparos, quando se afastava da primeira linha da manifestação, em 09 de fevereiro, enquanto a polícia usava canhões de água para dispersar a multidão.

Nesse mesmo dia, a ONU condenou o "uso desproporcionado de força" contra os manifestantes que contestam o recente golpe militar em Myanmar, denunciando a existência de "feridos graves", após a utilização de balas de borracha e de granadas de gás lacrimogéneo pela polícia.

"O uso de força desproporcionada contra manifestantes é inaceitável", afirmou então o coordenador residente da ONU em Myanmar, Ola Almgren, em comunicado.

"Muitos manifestantes ficaram feridos, alguns com gravidade", acrescentou, após a recolha de vários testemunhos em várias cidades do território birmanês.

Esta é a primeira morte confirmada entre manifestantes desde o golpe militar, em 01 de fevereiro.

A jovem converteu-se rapidamente num símbolo de resistência para os manifestantes, que reclamam a libertação da ex-chefe do Governo Aung San Suu Kyi e o fim da ditadura.

O exército prendeu a chefe do governo civil birmanês, Aung San Suu Kyi, o Presidente Win Myint e vários ministros e dirigentes do partido governamental, proclamando o estado de emergência e colocando no poder um grupo de generais.

União Europeia, Estados Unidos, ONU, Japão, China, França e Reino Unido foram algumas das vozes internacionais que criticaram de imediato o golpe de Estado promovido pelos militares em Myanmar.

Nos dias seguintes, sucessivos protestos contra o golpe de Estado ocorreram em várias cidades de Myanmar e a tensão nas ruas tem vindo a aumentar.

O golpe militar atingiu a frágil democracia da Birmânia, depois da vitória do partido de Suu Kyi nas eleições de novembro de 2020.

Os militares tomaram o poder alegando irregularidades durante o processo eleitoral do ano passado, apesar de as autoridades eleitorais terem negado a existência de fraudes.

A Junta Militar disse que vai manter-se no poder durante um ano, antes da realização de um novo ato eleitoral.

Leia Também: Myanmar: Mandados de prisão para celebridades que apoiam protestos

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório