Meteorologia

  • 17 ABRIL 2021
Tempo
14º
MIN 13º MÁX 23º

Edição

Mourão insinua que Bolsonaro pode trocar ministro das Relações Exteriores

O chefe de Estado do Brasil, Jair Bolsonaro, poderá realizar em breve uma reforma ministerial no seu governo, disse hoje o vice-presidente, Hamilton Mourão, citando o ministro das Relações Exteriores como alvo de uma possível troca.

Mourão insinua que Bolsonaro pode trocar ministro das Relações Exteriores

Mourão explicou que essas mudanças no executivo poderão ocorrer após a eleição dos presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado, que está agendada para a próxima segunda-feira e que pode levar a uma nova recomposição da base nas câmaras legislativas.

"Depois da eleição dos novos presidentes das duas casas do Congresso poderá ocorrer uma reorganização do Governo, para que seja acomodada a nova composição política que emergir desse processo. Talvez, com isso aí, alguns ministros sejam trocados, entre eles, o próprio Ministério das Relações Exteriores", disse Mourão em entrevista à Rádio Bandeirantes, referindo-se a Ernesto Araújo, que lidera a pasta da diplomacia desde que Bolsonaro assumiu o poder, em janeiro de 2019.

No entanto, o general Mourão esclareceu que não conversou com o Presidente sobre o assunto e destacou ainda que a decisão sobre qualquer mudança ministerial é "exclusivamente" de Bolsonaro.

A eventual exoneração de Araújo, diplomata de carreira, mas muito alinhado com a ideologia de extrema-direita de Bolsonaro, tem sido objeto das mais diversas conjeturas desde meados do ano passado, quando as suas posições ideológicas sobre a pandemia de covid-19 causaram conflitos diplomáticos com a China, o principal parceiro comercial do país.

Em diversas ocasiões, Araújo apelidou a covid-19 de "vírus chinês", chegou a chamá-lo de "comunavírus" e insinuou que as autoridades de Pequim haviam inicialmente ocultado a doença.

Também no ano passado, o ministro gerou polémica com o seu declarado apoio à frustrada reeleição de Donald Trump como Presidente dos Estados Unidos, uma posição também demonstrada publicamente por Bolsonaro, que foi um dos últimos chefes de Estado a reconhecer a vitória de Joe Biden.

Da mesma forma, também apoiou as denúncias de fraude eleitoral que Trump lançou sem qualquer prova, o que levou vários setores parlamentares, mesmo aqueles ligados ao Governo, a considerar que Araújo deixou de ser um interlocutor adequado diante dos Estados Unidos.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório