Meteorologia

  • 03 MARçO 2021
Tempo
21º
MIN 10º MÁX 21º

Edição

Biden anuncia moratória para perfuração de petróleo e cimeira do clima

O presidente dos EUA, Joe Biden, anunciou hoje uma moratória sobre a perfuração de petróleo em terras e águas federais, bem como uma cimeira internacional sobre o clima, em abril.

Biden anuncia moratória para perfuração de petróleo e cimeira do clima
Notícias ao Minuto

15:58 - 27/01/21 por Lusa

Mundo EUA

Biden deve assinar ainda hoje uma ordem executiva com várias medidas na área ambiental, incluindo a organização pelos Estados Unidos de uma cimeira sobre o clima, no dia 22 de abril, o Dia da Terra, que coincide com o quinto aniversário da assinatura do Acordo de Paris, ao qual os EUA regressaram poucas horas após a posse do novo Presidente.

A medida da moratória na outorga de novas concessões para perfuração de petróleo e gás em terras e águas de propriedade do Estado, que o Presidente assinará hoje, não afetará nenhuma concessão já autorizada, mas permitirá que Biden cumpra uma das suas promessas de campanha.

Os Estados Unidos também se comprometem a preservar a integridade de 30% das terras e águas federais até 2030, a fim de conter a perda de biodiversidade.

Biden também anunciou que as matérias ambientais serão parte essencial da diplomacia e das políticas de segurança dos Estados Unidos e que reconstituirá um conselho científico de especialistas.

O Presidente dos EUA instruirá ainda as agências federais para que invistam em áreas economicamente dependentes de combustíveis fósseis e apoiem as populações afetadas pela crise climática.

Com estas medidas, Joe Biden aproxima-se do seu objetivo de eliminar os combustíveis fósseis e de atingir a neutralidade de carbono no setor de energia até 2035.

Contudo, algumas associações ambientais, como a Oceana, querem que o novo Presidente vá ainda mais longe, transformando a moratória sobre a perfuração numa proibição permanente.

"Ao proteger permanentemente as nossas costas da poluição causada pelas perfurações em mar aberto e ao favorecer as fontes renováveis de energia (...) podemos simultaneamente combater as alterações climáticas e garantir uma economia verde para as nossas costas", explicou Diane Hoskins, porta-voz da Oceana.

O projeto presidencial agora revelado também provocou fortes críticas na indústria de combustíveis fósseis.

"Limitar a exploração (de combustíveis fósseis) em terras e águas estaduais nada mais é do que uma política de importação de petróleo", denunciou Mike Sommers, presidente da federação de profissionais da indústria de petróleo e gás dos Estados Unidos.

David Waskow, do Instituto Mundial de Recursos Naturais, considera que a cimeira do clima, planeada para abril, será uma oportunidade para a principal potência mundial sentar-se à mesa de discussões com outros países, antes da grande conferência da ONU sobre o clima (COP26), que decorrerá em novembro, no Reino Unido.

Waskow espera que os Estados Unidos aumentem as suas metas ambientais, com um horizonte potencial de redução de 50% nas emissões totais de gases de efeito estufa até 2030, em relação aos níveis de 2005.

O Presidente democrata também deve apresentar ao Congresso, em fevereiro, o seu plano climático, com um custo estimado de cerca de dois mil milhões de euros, que coloca as medidas verdes no centro da economia dos EUA.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório