Meteorologia

  • 25 FEVEREIRO 2021
Tempo
12º
MIN 11º MÁX 15º

Edição

UE pode beneficiar da experiência portuguesa nos contactos com a China

O embaixador português em Pequim defendeu hoje que o conselho da União Europeia (UE) poderá beneficiar da "experiência singular de relacionamento político e diplomático" que Portugal tem com a China, durante a presidência portuguesa.

UE pode beneficiar da experiência portuguesa nos contactos com a China
Notícias ao Minuto

09:14 - 27/01/21 por Lusa

Mundo Embaixador

"O nosso país nunca abdicou dos seus valores e dos seus modelos no seu território para ter de conseguir construir uma relação inevitavelmente pragmática que sempre trouxe grandes benefícios a ambos os lados, mas especialmente a Portugal", defendeu José Augusto Duarte à agência Lusa, em Pequim.

Referindo-se aos mais de 500 anos de contactos entre os dois países, o embaixador reconheceu, porém, que "alguns dos desafios" atuais na relação com a China são "novos e exigem reflexão de alcance estratégico".

Segunda maior economia do mundo, a seguir aos Estados Unidos, a China tem hoje, pela primeira vez na história moderna, força económica e militar para se relacionar com o mundo nos seus próprios termos.

O equilíbrio de forças parece ter aumentando com a pandemia do novo coronavírus, que a China conseguiu conter no primeiro trimestre do ano passado, permitindo que se tornasse na única grande economia do mundo a crescer em 2020.

"Não temos alternativa realista a abordar estes novos desafios sem ser seguindo o modelo de diálogo que Portugal sempre usou na relação com a China: diálogo, paciência, determinação, visão estratégica de longo alcance e realismo de até que ponto podemos influenciar e unir e a partir de onde temos de aceitar conviver com a diferença", apontou o embaixador.

Numa altura de crescente rivalidade entre China e Estados Unidos, José Augusto Duarte reconheceu que "será certamente desafiante" para a UE conciliar a relação transatlântica e a relação com a China.

"A Europa, sendo uma firme e orgulhosa aliada dos EUA, com o qual partilha valores e modelos, não deixa, no entanto, de ter interesses próprios da União Europeia no seu conjunto e de cada Estado Membro", descreveu.

"Uma relação sólida com os nossos aliados americanos não é antagónica com o conceito de autonomia estratégica nem sequer com uma relação construtiva com a China", acrescentou.

Sobre as negociações para o Acordo de Investimentos entre China e UE, concluídas no final do ano passado, apesar dos apelos da nova administração norte-americana por uma abordagem conjunta para a China, o diplomata português disse que a "desejável revitalização dos nossos lados transatlânticos em nada diverge da conclusão do acordo".

"O acordo, que traz benefícios para a Europa e para a China, com a vantagem acrescida de levar pela primeira vez a China a aderir a algumas convenções internacionais, como no domínio laboral, só pode ser aplaudido pelo mundo inteiro", defendeu.

No final de 2020, Bruxelas e Pequim chegaram a consenso preliminar para um acordo global de investimento UE-China, após sete anos de negociações (começaram em novembro de 2013).

O objetivo é, através deste acordo de investimento, proteger mutuamente os investimentos europeus na China e os investimentos chineses na UE, tornando nomeadamente mais fácil que investidores da Europa comprem participações em empresas chinesas, para esta passar a ser uma relação recíproca.

O grupo dos 27 exige também maior respeito pela propriedade intelectual, o fim das transferências forçadas de tecnologia impostas a empresas estrangeiras na China e os subsídios excessivos atribuídos às empresas públicas chinesas.

Os baixos padrões laborais chineses, e em particular a questão do trabalho forçado, constituíam, para vários Estados-membros da UE, o principal obstáculo à conclusão de um acordo com Pequim.

O texto do acordo deverá agora ser finalizado pelas partes e aprovado pelo Conselho (Estados-membros) e pelo Parlamento Europeu.

Leia Também: Pequim considera resolução da UE sobre Hong Kong "ingerência flagrante"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório