Meteorologia

  • 02 MARçO 2021
Tempo
10º
MIN 8º MÁX 18º

Edição

Governos nos Balcãs enfrentam fanáticos e religiosos contra a vacinação

Vários Governos nos Balcãs, além do desafio de obter e administrar rapidamente milhões de vacinas, têm que lidar com a desconfiança ou oposição aberta à vacinação contra o SARS-CoV-2 de líderes religiosos e fundamentalistas de extrema-direita.

Governos nos Balcãs enfrentam fanáticos e religiosos contra a vacinação
Notícias ao Minuto

10:51 - 23/01/21 por Lusa

Mundo Covid-19

O arcebispo Teodosie Petrescu, da Igreja Ortodoxa Romena, é uma das vozes influentes relutantes em receber a vacina. Depois de meses a desafiar abertamente as restrições em relação às missas e peregrinações, Teodosie garantiu que a vacina tem efeitos colaterais e que foi autorizada sem ter sido testada em humanos.

"A sagrada comunhão é mais forte do que qualquer vacina", declarou o arcebispo da região eclesiástica de Tomis, junto ao Mar Negro, em 12 de janeiro.

A mensagem de Petrescu encontrou uma poderosa caixa de ressonância na rede social Facebook. Numerosos grupos de ideologia nacionalista e conservadora transmitem entrevistas e notícias com as declarações do religioso.

A posição de Petrescu não é oficial da Igreja Ortodoxa Romena, que não pediu a vacinação dos fiéis, como fizeram outros arcebispos individualmente, mas concordou em distribuir informações do Governo sobre o processo de imunização contra a covid-19.

Sem sair da Roménia, outro cético de destaque é a senadora e advogada Diana Sosoaca, que apelou para a justiça em nome de Petrescu, em relação às restrições impostas pelo Governo. A senadora pertence à Aliança pela Unidade da Roménia, que em sua primeira participação numa eleição parlamentar, em 6 de dezembro, obteve 9% dos votos. Em suas fileiras, há líderes que simpatizam com a Guarda de Ferro, o movimento fascista romeno durante a II Guerra Mundial.

A senadora recusou-se a ser vacinada, alegando que tem "um sistema imunológico muito forte" e que a vacina não foi suficientemente testada.

Na Bósnia, a comunidade muçulmana solicitou que fosse publicado se há componentes de origem suína nas vacinas, já que o consumo de carne suína é proibido pelo Islão.

Após a publicação desses detalhes, argumentam os líderes comunitários, permitirá que os muçulmanos, a maioria no país, decidam se querem ou não ser vacinados.

Na católica Croácia, a oposição à vacina é liderada pela Vigilare, organização conservadora que considera o aborto um crime e afirma que as vacinas são feitas com células de fetos abortados, o que esta associação denuncia como um ato de cumplicidade com o "assassínio de crianças por nascer".

Especialistas em vacinas negam que essas drogas carreguem tecidos de fetos humanos extraídos de um aborto e especificam que usam culturas de células obtidas em laboratório.

Embora o Vaticano tenha declarado que a vacina é "moralmente aceitável", alguns padres católicos expressaram reservas.

Outro argumento comum entre os que rejeitam a vacina é o da liberdade individual das imposições do Estado em nome da saúde pública.

Por exemplo, a Associação Croata de Pais Ativistas adverte contra a possibilidade de o Governo impor restrições à circulação de pessoas não vacinadas, forçando assim de facto todos a serem imunizados.

Na Sérvia, o rosto anti-vacinas é a psiquiatra Jovana Stojkovic, que lidera o movimento "Eu Vivo pela Sérvia". Stojkovic opôs-se ao uso de máscaras e denunciou a existência de uma máfia farmacêutica, que aproveita o vírus para fazer negócios às custas do cidadão comum. Esta psiquiatra obteve 1% dos votos nas eleições parlamentares de junho passado, com uma candidatura aliada a um grupo ambientalista de extrema-direita.

A resistência à vacina na Hungria é liderada pelo médico György Gödény, que além de ser contra a vacinação, nega que a covid-19 seja uma doença grave. Gödény, que não tem o apoio de nenhum partido político ou igreja, foi interrogado em dezembro passado pela polícia por ter dito que vacinas contra a covid-19 são mortais.

De acordo com as pesquisas, a percentagem da população que se recusa a ser vacinada varia entre 30-35% na Hungria, Croácia e Roménia e 44% na Croácia, com altos números de indecisos em todos os casos.

As tendências mostram que a rejeição da vacina está a diminuir, enquanto o apoio à vacinação está a aumentar.

A pandemia de covid-19 provocou mais de dois milhões de mortos resultantes de mais de 97,4 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Leia Também: AO MINUTO: Origem do vírus? "É cedo"; Hong Kong confina dois bairros

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório