Meteorologia

  • 18 JANEIRO 2021
Tempo
MIN 5º MÁX 14º

Edição

Ativistas alertam para indígenas afetados por leilão de petróleo e gás

Ativistas da organização não-governamental (ONG) 350.org denunciaram que as áreas de petróleo e gás leiloadas hoje pelo Governo brasileiro na região amazónica afetarão cerca de 50 terras indígenas próximas das zonas a serem exploradas.

Ativistas alertam para indígenas afetados por leilão de petróleo e gás

O Brasil arrecadou hoje 56,7 milhões de reais (9,10 milhões de euros) num leilão que ofereceu 19 concessões para exploração e produção de petróleo. Entre as áreas adjudicadas, quatro estão localizadas na Amazónia brasileira.

O líder indígena Ninawa Inu liderou os protestos ocorridos no hotel Sheraton, no Rio de Janeiro, onde foi realizado o leilão na manhã de hoje.

Com cartazes que diziam "A Amazónia é vida e petróleo e gás são morte" e "Amazónia livre de petróleo e gás", os manifestantes reivindicaram as áreas leiloadas na maior floresta tropical do mundo que, segundo a ONG, prejudicam 47 tribos lá estabelecidas.

De acordo com o relatório técnico contratado pela ONG, as áreas licitadas na Amazónia são próximas de 22 unidades de conservação, que podem ser "potencialmente afetadas" pela exploração de combustíveis fósseis.

O consórcio formado pela Eneva (70%), subsidiária da alemã E.ON e a maior operadora privada de gás natural do Brasil, e a Enauta (30%) conquistou três das quatro concessões ofertadas na Amazónia, pelas quais pagou mais de 16 milhões de reais (2,57 milhões de euros).

A outra concessão, correspondente a uma área com acumulações marginais (áreas inativas onde não houve produção de petróleo e/ou gás natural ou a produção foi interrompida por falta de interesse económico), foi atribuída exclusivamente à Eneva por 25,7 milhões de reais (4,12 milhões de euros).

De acordo com dados divulgados na segunda-feira pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), um órgão governamental, a Amazónia brasileira perdeu 11.088 quilómetros quadrados de cobertura vegetal entre agosto de 2019 e julho de 2020, uma área 9,5% superior à do ano imediatamente anterior (10.129 quilómetros quadrados) e a maior para o período dos últimos doze anos.

Ambientalistas culpam o Governo do Presidente, Jair Bolsonaro, pelo aumento da desflorestação na floresta, causada principalmente pela mineração e comércio de madeira.

Organizações como a Greenpeace e o World Wide Fund for Nature apontam que o aumento da devastação na principal floresta tropical do planeta deve-se à flexibilização dos controlos ambientais promovida pelo atual Governo.

A Amazónia é a maior floresta tropical do mundo e possui a maior biodiversidade registada numa área do planeta, com cerca de 5,5 milhões de quilómetros quadrados e inclui territórios do Brasil, Peru, Colômbia, Venezuela, Equador, Bolívia, Guiana, Suriname e Guiana Francesa (pertencente à França).

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório