Meteorologia

  • 22 JANEIRO 2021
Tempo
14º
MIN 10º MÁX 15º

Edição

Amnistia denuncia condições "alarmantes" nos lares de idosos espanhóis

A Amnistia Internacional considerou hoje "alarmantes" as condições de vida dos residentes dos lares de terceira idade da região de Madrid e da Catalunha, onde milhares de pessoas idosas morreram de covid-19 nos últimos meses.

Amnistia denuncia condições "alarmantes" nos lares de idosos espanhóis
Notícias ao Minuto

17:13 - 03/12/20 por Lusa

Mundo Covid-19

Esta organização não governamental (ONG) condenou severamente a situação num relatório publicado hoje, no qual denuncia uma situação em que "a grande maioria das pessoas de idade que vivem em lares de idosos em Madrid e na Catalunha não foram devidamente atendidas".

A Amnistia Internacional afirma que as medidas postas em prática nas duas regiões foram "ineficazes e inadequadas" e não respeitam os direitos dos residentes, acrescentando que "a situação nos lares de idosos continua a ser inquietante durante esta segunda vaga".

A Espanha é um dos países mais afetados pela pandemia de covid-19, com mais de 1,6 milhões de casos e quase 46.000 mortes.

A organização estima que quase metade destas mortes são de idosos que morreram em lares de terceira idade, indicando que um relatório do Governo, a ser divulgado em breve, coloca o número "entre 50% e 47%" do total de óbitos.

Entre 08 de março e 01 de maio último, 5.828 pessoas idosas morreram de covid-19 em lares de idosos na região de Madrid, o que representa 43,46% dos óbitos na região, de acordo com a Amnistia.

Na Catalunha, os 7.045 idosos que morreram devido à pandemia entre 01 de março e 15 de novembro são responsáveis por 46,9% das mortes na região durante este período, afirma a ONG.

Estes residentes de lares de idosos em Madrid e Catalunha "não foram levados para o hospital quando precisaram, ficaram isolados nos seus quartos, por vezes durante semanas, sem contacto com as suas famílias, e alguns nem sequer puderam morrer com dignidade" durante os primeiros meses da pandemia, acrescenta o relatório.

Os protocolos regionais que recomendavam o tratamento dos idosos nas suas casas em vez de serem enviados para o hospital "não foram alterados", apesar de serem "discriminatórios", continua a Amnistia.

A ONG lamenta que as visitas das famílias ainda não estejam asseguradas e que as autoridades não tenham aumentado o número de funcionários, citando medidas de austeridade e cortes orçamentais causados pela crise financeira de 2008.

O diretor do escritório da Amnistia em Espanha, Esteban Beltran, disse que "uma crise sanitária não pode ser uma desculpa para não prestar os cuidados adequados aos idosos".

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.495.205 mortos resultantes de mais de 64,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 4.724 pessoas dos 307.618 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório